Tecnologia e Manejo

27/09

Contribuição efetiva e racional de antibióticos injetáveis na suinocultura

Contribuição efetiva e racional de antibióticos injetáveis na suinocultura

 

A suinocultura brasileira tem se destacado muito no mercado mundial como uma moderna cadeia produtiva com credibilidade e altos índices zootécnicos. A intensificação da produção tem sido uma característica deste setor, respondendo à demanda de mercado. Os sistemas de confinamento permitem que os animais alcancem elevada performance produtiva e zootécnica, mas os submetem a um alto grau de estresse e desafio ambiental, resultando em maiores problemas sanitários. Desta forma, é impensável viabilizar uma suinocultura eficiente e lucrativa sem proporcionar aos animais mecanismos de defesa adicionais, como os antibióticos.

 

As características do sistema de produção de suínos mostram claramente que o uso de antibióticos incrementa os parâmetros produtivos e a sanidade animal. A utilização de antibióticos durante as fases de crescimento beneficia a taxa e eficiência de ganho de peso corporal, reduz a mortalidade e morbidade e a doença clínica e subclínica. O uso consciente de antibióticos é necessário a fim de evitar o surgimento de resistência bacteriana, maximizar a eficácia dos produtos utilizados e prevenir a presença de resíduos acima de limites toleráveis em produtos de origem animal para o consumo humano. Esses medicamentos podem ser administrados por três diferentes vias: injetável, via ração e via água de bebida.

 

Para o sucesso do tratamento curativo ou profilático/metafilático, o primeiro ponto crucial é o diagnóstico correto, bem como os resultados de antibiograma das bactérias isoladas. Dessa forma, consegue-se estabelecer o programa de antibiótico adequado frente aos desafios encontrados. Além disso, a dose e concentração da droga é outro fator importante para conferir o resultado assertivo no tratamento. Quando o tratamento ocorre via água ou ração, é preciso se atentar para os fatores capazes de influenciar as concentrações do medicamento no tecido após sua ingestão.

 

No caso dos medicamentos aplicados por via oral, tanto na água quanto na ração, a quantidade do produto ingerido pode variar de acordo com o volume da ração ou água consumido pelos animais.  A ingestão pode variar de acordo com as faixas etárias dos animais e o ambiente e equipamentos disponíveis. Pode-se considerar que o aumento de temperatura em 10ºC pode diminuir o consumo de ração em até 500g e o aumento simultâneo na taxa de amônia para 30 ppm o reduz em mais 50g. Assim, poderia ocorrer diminuição no consumo de ração no verão em 550g, o que significa que um animal de 60 Kg (com consumo de ração estimado em 2,3 Kg/ dia) estaria recebendo somente 3/4 ou menos da dose recomendada para o seu tratamento.

 

A medicação via água pode ter variações de consumo de acordo com o fluxo, altura e ângulo corretos dos bebedouros. Quando o fluxo for insuficiente, alguns indivíduos tendem a permanecer mais tempo junto aos bebedouros ou deitados abaixo deles, prejudicando o consumo dos outros. A absorção está relacionada ao tempo de trânsito, quantidade ingerida, solubilidade na água ou lipídios, grau de ionização, pH do lúmen, peso molecular e polaridade. Para o sucesso da terapêutica, o produto a ser utilizado deve ser bem absorvido a partir do local da aplicação ou ingestão, atingir níveis que façam o tratamento adequado no local da infecção e não ser inativado.

 

O sucesso dos tratamentos via oral depende extremamente de que os animais consumam as quantidades adequadas do antibiótico. Caso o animal não consiga ingerir a quantidade correta – por estar doente, competição na baia, superlotação, má instalação de bebedouros e comedouros, mau manejo de arraçoamento, entre outros – não receberá a dose e a concentração adequadas para contribuir com o sucesso do tratamento. Quando as doses de antibióticos são administradas incorretamente surge o risco das superbactérias. O uso desses medicamentos deve ser feito com muito cuidado e atenção para evitar o desenvolvimento dessas bactérias resistentes.

 

O uso de antibióticos injetáveis vem ganhando destaque no setor. Mesmo em um contexto de medicina veterinária populacional, cada vez mais o indivíduo terá maior importância. O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento já restringiu totalmente o emprego de uma série de substâncias na alimentação animal, caso da avoparcina, arsenicais e antimoniais, cloranfenicol e nitrofuranos, olaquindox, carbadox, violeta genciana, anfenicois, tetraciclinas, beta-lactâmicos (benzipenicilâmicos, cefalosporinas), quinolonas, sulfonamidas sistêmicas, espiramicina e eritromicina.

 

Recentemente, tem sido discutido o papel das medicações injetáveis como forma de reduzir o uso em massa e intensivo de antibióticos por via oral. Dessa forma, observa-se a otimização do uso de antibióticos na produção animal a fim de garantir a máxima eficiência por administração correta da dose terapêutica, além de reduzir incidência de resistência bacteriana.

 

A Merial Saúde Animal, líder mundial em saúde animal do grupo Sanofi, oferece em seu portfólio Zactran Suínos, que faz parte de uma nova geração de antibióticos à base do princípio ativo Gamitromicina. Molécula exclusiva da Merial não usada em seres humanos e com baixo risco de resistência, a Gamitromicina é absorvida rapidamente pelo tecido pulmonar e pelas células lesionadas, começando a agir 30 minutos após a aplicação. O produto permanece ativo nas células do tecido pulmonar por até 10 dias, combatendo o crescimento e a proliferação de bactérias nos pulmões.

 

*Juliana Calveyra  é Gerente Técnica da Merial saúde animal.



Publicidade