Tecnologia e Manejo

29/03

Tocantins: Soja rende mais com forrageiras

Tocantins: Soja rende mais com forrageiras

 

Plantar soja em solo cultivado com forrageiras pode aumentar em quase 50% a produtividade da oleaginosa. É o que concluiu o trabalho de pesquisa de Carlos Andrade, em sua dissertação de mestrado desenvolvida na Universidade Federal do Tocantins (UFT) e que contou com a participação da Embrapa. Um dos que colaboraram foi o analista da Embrapa Pesca e Aquicultura Francelino Camargo. O foco do trabalho de Andrade foi a região de Cerrado do Tocantins, que possui mais de 90% de seu território nesse bioma.

Andrade explica que, como a região é composta por áreas com diferentes características, o potencial de produção e produtividade das culturas não é o mesmo, assim como não são semelhantes as condições do solo e do clima e, portanto, os resultados dos cultivos também são diversos. Com essa multiplicidade de condições, é preciso entender melhor as áreas de Cerrado em regiões menores ou mais específicas. Foi esse o enfoque do trabalho de Andrade, que concentrou seus experimentos em Gurupi, município localizado no sul do Tocantins.

Capim Mombaça aumentou produtividade em quase 50%

Ele relata que foram avaliadas a produção de palha e o desempenho agronômico da cultura da soja em consórcio com diversas forrageiras sobressemeadas em sistema de plantio direto. Como resultado, Andrade observou que, entre cinco forrageiras testadas, o capim Mombaça se destacou: aumentou em quase 50% a produtividade da soja quando comparada à produção da oleaginosa semeada do modo tradicional (solteira).

Além da obtenção da maior produtividade, são inúmeras as vantagens do consórcio soja-forrageiras. Andrade destaca o maior aproveitamento do residual de adubação, a reciclagem de nutrientes, o aumento da produtividade da forragem, a recuperação de áreas degradadas, o aumento de ciclos de pastejo de animais e a conservação do solo. Sem falar na formação de palhada produzida pelas espécies forrageiras, essencial ao plantio direto da soja.

Em sistemas de integração lavoura-pecuária, que vêm ganhando novas áreas no Tocantins, a sobressemeadura de forrageiras na soja trouxe benefícios independentemente da atividade principal da propriedade, seja agricultura ou pecuária.

Meio eficaz de recuperação dos solos

Francelino Camargo participou da condução dos experimentos e considera que a sobressemeadura é uma excelente alternativa para recuperar o pasto degradado e para manter a superfície do solo coberta e protegida por maior tempo para o plantio.

O cultivo das forrageiras permite altas adições de biomassa por ano na área a ser cultivada, aumentando os estoques de carbono no solo.
O analista destaca também que o solo coberto por maior tempo reduz as variações térmicas da superfície, diminuindo seu estresse. O plantio das forrageiras melhora as características físicas do solo, reduz a ação das plantas daninhas e diminui a aplicação de herbicidas nas lavouras.

Camargo considera que os resultados dos experimentos conduzidos em Gurupi podem ser alcançados em outras áreas de Cerrado do Matopiba, grande fronteira agrícola que reúne partes do Maranhão (sul do estado), do Tocantins (praticamente todo o estado), do Piauí (sul) e da Bahia (oeste do estado).

Parcerias

Foram parceiros nesse trabalho o pesquisador Emerson Borghi, da Embrapa Milho e Sorgo; o professor Junior Cesar Avanzi, da Universidade Federal de Lavras (Ufla) ; os pesquisadores Leandro Bortolon, Elisandra Bortolon e Jones Simon, do núcleo de sistemas agrícolas da Embrapa Pesca e Aquicultura; e os professores Rubens Ribeiro da Silva e Rodrigo Ribeiro Fidelis, da UFT.

 

Clenio Araujo (MTb 6279/MG) 
Embrapa Pesca e Aquicultura 
 
Telefone: (63) 3229-7836

 

Mais informações sobre o tema
Serviço de Atendimento ao Cidadão (SAC)

www.embrapa.br/fale-conosco/sac/



Publicidade