Tecnologia e Manejo

22/02

Nova variedade de soja BRS 7380 RR da Embrapa dobra produção em áreas com nematoides

Nova variedade de soja BRS 7380 RR da Embrapa dobra produção em áreas com nematoides

 

Já imaginou poder voltar a produzir em uma área com alta infestação de nematoides? Visando esse objetivo, foi lançada pela Embrapa a variedade de soja BRS 7380 RR, resistente a seis raças de nematoide de cisto – raças 3, 4, 6, 9, 10 e 14 – e aos nematoides de galha Meloidogyne incognita e Meloidogyne javanica. De acordo com o pesquisador da Embrapa Cerrados, Sebastião Pedro da Silva Neto, a BRS 7380 RR tem ainda baixo fator de reprodução ao nematoide Pratylenchus spp, o que significa que é menos suscetível à sua multiplicação.

 

“Vermes que vivem no solo e se alimentam das raízes das plantas, os nematoides prejudicam  o transporte de seiva e a sustentação vegetal”, explica Neto. Sendo resistente, a BRS 7380 RR se desenvolve mesmo na presença deles, sem apresentar sinais de enfraquecimento. “Diante de todas as suas características, estamos falando de uma variedade única no mercado, que está permitindo que áreas abandonadas, por estarem inaptas ao cultivo de soja, sejam reintegradas ao sistema de produção”, afirma o pesquisador.

 

Um exemplo citado por Neto é o caso da Serra da Petrovina, onde já se trabalha com a cultivar há dois anos e foi possível ver na prática os benefícios da resistência aos nematoides. “Essa era uma área que tinha grandes populações, um solo infestado em que as plantas não conseguiam se desenvolver, e que hoje deixou de dar 20, 30 sacas, para voltar a ter uma produção em escala comercial”.

 

Indicada, atualmente, para plantio em Goiás, Minas, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e oeste da Bahia, a cultivar BRS 7380 RR teve nesta safra (2016/2017) produtividade na casa de 50 a 70 sacas/hectare em lavouras com alta infestação de nematoides. O resultado, de na média 60 sacas, é o dobro do que geralmente se colhe em áreas com infestação, quando os níveis não fazem a produção cair ainda mais.

 

Hoje, em caráter experimental, estão sendo conduzidos testes com a variedade também no Tocantins, Maranhão e no Estado de São Paulo, de acordo com Neto.

 

Ciclo precoce - “Outro diferencial da cultivar é que além de ter alto potencial produtivo, ela é de ciclo precoce, dando opção de o produtor se dedicar à safrinha”, diz o pesquisador da Embrapa.

 

O ciclo da BRS 7380 RR dura de 95 a 110 dias e permite aproveitar, por exemplo, a janela do sorgo e do milho, além de abrir espaço para o boi safrinha. Segundo Neto, a palhada de braquiária cumpre importante papel para a deposição de matéria orgânica nesses solos contaminados, contribuindo para enriquecer a microbiota e equilibrar as populações de nematoides.

 

Diante da opção pela variedade resistente, é dispensado o uso de nematicidas. “Com isso, o produtor economiza uma soma considerável de dinheiro e também reduz o impacto ambiental da atividade”, completa o pesquisador.

 

A Fundação Cerrados, parceira no desenvolvimento da cultivar, é a responsável pela produção de sementes da BRS 7380 RR. A lista completa de fornecedores pode ser acessada clicando aqui

 
Fonte: Portal DBO



Publicidade