Tecnologia e Manejo

27/04

Técnica de raio X confere rapidez e precisão na avaliação da qualidade de sementes de tomate

Técnica de raio X confere rapidez e precisão na avaliação da qualidade de sementes de tomate

 

Rapidez e precisão dos resultados. Essas foram as respostas aos testes realizados com a técnica de raio X para avaliar a sanidade de sementes de tomate, no caso em questão, o BRS Nagai, lançado em 2011 pela Embrapa Hortaliças (Brasília, DF). As análises das imagens de plântulas (embrião vegetal desenvolvido dentro da semente) mostraram que danos nas sementes podem afetar a germinação da espécie, conforme os seguidos testes realizados.

 Os trabalhos em torno dessa avaliação tiveram como base o projeto “Estudo de alterações fisiológicas, bioquímicas e moleculares em sementes de tomate: implicações no estabelecimento de sistemas eficientes de produção de cultivares híbridas”, desenvolvido pelo pesquisador Warley Nascimento.

A proposta virou tese de doutorado da agrônoma Shara Borges, da área de Produção Vegetal da Universidade de Brasília (UnB) e orientanda de Nascimento. Segundo ele, que assumiu em janeiro último a chefia-geral da Unidade da Embrapa, o foco no tomate deveu-se à importância econômica da hortaliça dentro da cadeia produtiva, “e os resultados positivos dos testes, que por sua vez validam a escolha do tema como tese de doutorado, sugerem um reconhecimento da sua relevância para a produção de sementes”.

Para a agrônoma, as principais vantagens da técnica referem-se à aceleração do processo de germinação e ao dimensionamento do estádio de maturação da semente, determinante para o sucesso, ou não, da germinação. “O teste de germinação de tomate leva cerca de 14 dias, e até então não se tinha como medir o vigor da semente para garantir o melhor estabelecimento de plântulas – a partir do uso do raio X foi possível identificar a qualidade desejável para alcançar o nível de maturação ideal tendo em vista que a técnica possibilita o acesso à estrutura interna do embrião da semente”, explica Shara.

Processo
O processo segue etapas, de acordo com a agrônoma: de um lote de sementes, por exemplo, é tirada uma amostra posteriormente submetida à técnica de raio X e, com base no conhecimento sobre as condições internas da estrutura morfológica daqueles embriões, será possível identificar as características de germinação, assim como a melhor época para colher as sementes. 

Nesse caso, foi verificado que quando o embrião não apresenta anormalidade, a planta germinada também não apresenta problemas de vigor. O contrário também foi correlacionado – um embrião identificado com anormalidade não vai gerar uma plântula vigorosa “No caso dos nossos experimentos, os frutos foram colhidos em diferentes épocas, então encontramos sementes onde o embrião não estava totalmente formado e outras onde alcançaram a máxima qualidade fisiológica, comprovada por meio de testes de germinação”.

 Shara chama a atenção para o fato de o raio X representar um teste de germinação complementar à RAS (Regra para Análise de Sementes), do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), obrigatória. “Além da RAS, no caso de obter-se respostas rápidas e consistentes, a receita passa pelo teste de raio X”, resume a agrônoma, para quem a técnica tem potencial para ser utilizada universalmente, “para todos os tipos de sementes”.

 

Anelise Macedo (MTb 2.748 DF) 
Embrapa Hortaliças 
 
Telefone: (61) 3385-9110

 

Mais informações sobre o tema
Serviço de Atendimento ao Cidadão (SAC)

www.embrapa.br/fale-conosco/sac/



Publicidade