Tecnologia e Manejo

10/03

Pesquisa Unoeste: Nitrogênio pode ajudar na produção de semente forrageira

Pesquisa Unoeste: Nitrogênio pode ajudar na produção de semente forrageira

 

Num único estudo científico desenvolvido junto ao Programa de Pós-graduação Stricto Sensuem Agronomia da Unoeste, foram feitos dois experimentos para avaliar a interferência do fracionamento da adubação nitrogenada de cobertura sobre produtividade e qualidade fisiológica de sementes em dois cultivares de forrageiras tropicais. De acordo com o autor da pesquisa, o engenheiro agrônomo Amarildo Francisquini Júnior, houve a constatação de que o nitrogênio pode contribuir na produção de semente para pastagem, desde que a aplicação ocorra em momento apropriado da fase de desenvolvimento da planta.

No experimento com a utilização da forrageira Panicum maximum cultivar Mombaça, o melhor resultado da aplicação de nitrogênio foi na fase de pré-emborrachamento (diferenciação floral), na dose de 150 quilos por hectare. “Se fizesse antes, a tendência seria de que a planta vegetasse mais e produzisse mais massa do que sementes” comenta. A Urochloa humidicula cultivar Llanero, com a mesma dose, apresentou melhor resultado na adubação inicial (perfilhamento), “por ser uma planta que produz menos massa que o Panivcum”, explica Francisquini que recomenda ao produtor esse experimento, que respondeu melhor à germinação e viabilidade.

Os experimentos foram feitos a campo, respectivamente nas fazendas Canelão em Rancharia (SP) e Estância Paraíso em Santo Anastácio (SP). As análises ocorreram nos laboratórios da Unoeste. Francisquini fez o mestrado com bolsa da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), vinculada ao Ministério da Educação. O aluno contou ainda, com o apoio do Grupo de Pesquisa Agropecuária do Oeste Paulista (Gpagro). A pesquisa resultou na dissertação “Produtividade e qualidade de sementes de forrageiras tropicais em razão do parcelamento da adubação nitrogenada”, com defesa pública feita nesta quarta-feira (4).

A banca examinadora elogiou o trabalho de Francisquini que recebeu orientação do doutor Carlos Sérgio Tiritan. Para o doutor Marcelo Andreotti, da Universidade Estadual Paulista (Unesp), campus de Ilha Solteira (SP), o resultado da pesquisa foi muito bom, especialmente do ponto de vista prático. Elogiou o fato de terem sido feitos dois experimentos em um mesmo estudo, o que é pouco comum nos mestrados. Para o doutor José Eduardo Creste, o autor da pesquisa foi corajoso e tratou de assunto de pouca produção científica, que é a produção de sementes para forrageiras. “Uma atividade econômica de pouca informação”, pontuou.

Professor do Programa de Pós-graduação Stricto Sensu em Agronomia da Unoeste, Creste afirmou que a região de Presidente Prudente – onde se encontra o maior rebanho bovino do Estado de São Paulo, com mais de 1,8 milhão de cabeças – precisa de produção científica que contemple a produção de sementes para pastagens. “Trabalhos como esse ajudam a achar respostas para a sociedade”, comentou para enaltecer a pesquisa de Francisquini com a orientação de Tiritan. Ambos examinadores manifestaram entendimento de que devem ser feitas outros estudos nesse segmento.

 

Fonte: www.maxpressnet.com.br 



Publicidade