Tecnologia e Manejo

30/06

Ourofino Saúde Animal: Uso do GnRH (Sincroforte) nos protocolos de IATF para vacas de leite pode incrementar a taxa de concepção

Ourofino Saúde Animal: Uso do GnRH (Sincroforte) nos protocolos de IATF para vacas de leite pode incrementar a taxa de concepção

 

 

A produtividade por animal é um dos índices que podem impactar na lucratividade das propriedades produtoras de leite. Para que o sistema seja eficiente, as vacas necessitam de ambiência, nutrição de qualidade, protocolos sanitários atualizados e genética que permita a elevação da produção de leite diária. Entretanto, incrementar a produtividade também aumenta o desafio reprodutivo dessas fêmeas e, portanto, é necessário que o manejo reprodutivo seja intensificado objetivando a manutenção da taxa de prenhez e garantindo a continuidade da produção.

 

A inseminação artificial em tempo fixo (IATF) é uma biotecnologia que pode ser utilizada rotineiramente no manejo reprodutivo da fazenda. Sua implementação promove mesma taxa de concepção em relação à inseminação artificial por observação de cio, mas possui as vantagens de diminuir o intervalo entre o parto e a concepção (Teixeira, A. – dissertação de mestrado 2013) e acabar com a necessidade de detecção de estro.

 

Mesmo com o estabelecimento da IATF, em propriedades com vacas de alta produção leiteira, alguns ajustes podem ser realizados no protocolo, objetivando maior eficiência em sincronizar as ovulações e, consequentemente, manter a taxa de concepção no nível desejado. Ajustes como a aplicação de Sincrogest Injetável 4 dias após a IATF (Souza, E.D. – dissertação de mestrado, 2015) podem aumentar a eficiência reprodutiva principalmente nas épocas de altas temperaturas.

 

Outra alteração no protocolo base que tem sido indicada é a adição de uma dose de GnRH no início do protocolo de IATF. Estudos recentes demonstram que essa prática aumenta a eficiência de sincronização do protocolo, removendo parte dos folículos persistentes que não sofrem atresia no Dia 0 – resultando em aumento da taxa de concepção. Em um comparativo utilizando-se GnRH (n=550) ou benzoato de estradiol (n=485) no dia da inserção do dispositivo de progesterona (Dia 0), pesquisadores evidenciaram uma maior eficiência quando foi utilizado o GnRH (Melo, et al., 2016 – Gráfico 1).

 

 

Gráfico 1. Taxa de prenhez com a utilização de benzoato de estradiol (BE) ou GnRH no Dia 0 do protocolo para IATF

 

Como conclusão, podemos ajustar o protocolo base e adicionar no Dia 0 uma dose de Sincroforte, da Ourofino Saúde Animal, com o objetivo de remover o folículo persistente, sincronizando de maneira mais eficiente a emergência de nova onda folicular. Ainda, duas doses de PGF (Sincrocio) podem ser utilizadas, com o objetivo de aumentar as chances de luteólise do corpo lúteo.

 

Por Bruno Gonzalez de Freitas e Bruna Martins Guerreiro, especialistas técnicos em Reprodução Animal na Ourofino Saúde Animal



Publicidade