Tecnologia e Manejo

28/03

Nova variedade de capim eleva ganho de peso

Nova variedade de capim eleva ganho de peso

 

Um capim mais nutritivo tanto em proteína bruta quanto em digestibilidade, que carrega benefícios superiores em comparação às demais cultivares da espécie no mercado. Essa é a principal vantagem da cultivar BRS Quênia, o segundo híbrido de Panicum maximum lançado, no início de março, pela Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa).

 

“Comparada sob pastejo com as cultivares mais plantadas no Brasil, a BRS Quênia resultou em 17% maior ganho em peso individual e por área do que a cv. Mombaça, no bioma Cerrado, e 30% maior ganho em peso individual e 9% maior ganho em peso por área do que a cv. Tanzânia, no bioma Amazônia” informa a pesquisadora Liana Jank, da Embrapa Gado de Corte (MS), em entrevista à equipe SNA/RJ.

 

Há dois anos, juntamente com outros pesquisadores, ela também lançou no mercado o primeiro híbrido de Panicum, a BRSTamani.

 

Características e Vantagens


De acordo com a especialista, “trata-se de um capim produtivo, de porte médio com abundância de folhas de largura média-estreita e com colmos finos e tenros, o que confere facilidade de apreensão pelos animais e facilidade e flexibilidade no seu manejo”.

 

Liana defende que as principais vantagens da nova variedade são a produção, o valor nutricional e a facilidade de manejo, “o que não é encontrado em nenhuma outra cultivar da espécie de porte médio a alto no mercado”.

 

Ela pondera, no entanto, que a BRS Quênia “não vem ao mercado com o objetivo de melhorar os solos, assim como fazem as leguminosas”. “Em geral, os capins não melhoram os solos, mas podem contribuir para a redução dos gases de efeito estufa.”

 

Pesquisadora Liana Jank defende que as principais vantagens da nova variedade de capim, a BRS Quênia, são a produção, o valor nutricional e a facilidade de manejo, “o que não é encontrado em nenhuma outra cultivar da espécie de porte médio a alto no mercado”. 

 

Comparativo com outra nova cultivar


Também no início de março, a Embrapa lançou outro tipo de capim – a BRS Ipyporã –, um híbrido de braquiária (Brachiaria). Essa a forrageira destaca-se pela resistência a diferentes espécies de cigarrinhas. Leia mais em http://sna.agr.br/?p=46205.

 

Fazendo um comparativo, Liana ressalta que, normalmente, “as cultivares de Panicum maximum são mais produtivas e de melhor qualidade para uso em solos de média a alta fertilidade e corrigidos”.

 

“Já as cultivares de Brachiaria são usadas em solos de baixa a média fertilidade e são mais rústicas, demandando menor necessidade de adubação e manejo.”

 

Comercialização


Conforme Liana, as sementes da BRS Quênia serão comercializadas pelas empresas de sementes associadas à Unipasto (Associação para o Fomento à Pesquisa de Melhoramento de Forrageiras), que constam no site www.unipasto.com.br.

 

“As sementes estarão disponíveis aos produtores rurais a partir de agosto de 2017. O valor das sementes, que serão comercializadas, ainda não foi determinado.”

 

SNA 



Publicidade