Tecnologia e Manejo

07/10

Novo prazo do Reintegra beneficia indústria madeireira

Novo prazo do Reintegra beneficia indústria madeireira

 

Com isso, as empresas produtoras e exportadoras de manufaturados poderão apurar 3% de crédito sobre a receita de exportação, que antes era de 0,3%. As indústrias de madeira, que têm o comércio internacional como um de seus principais mercados, também serão beneficiadas diretamente por essa medida.

Para as entidades que representam o setor produtivo, a decisão traz certo alívio para os industriais. “A decisão entraria em vigor apenas em janeiro de 2015, mas diante das cobranças feitas pelo setor produtivo, e da desaceleração da indústria, o governo estabeleceu que o novo percentual já passa a valer nos três últimos meses deste ano. É uma oportunidade que deve ser aproveitada pelos industriais para minimizar a baixa atividade econômica que estamos enfrentando”, afirma Paulo Roberto Pupo, superintendente executivo da Associação Brasileira da Indústria de Madeira Processada Mecanicamente (Abimci).

Outro anúncio que precisa ser observado pelo setor madeireiro é o aporte de R$ 200 milhões no Programa de Financiamento às Exportações (Proex). O Ministério da Fazenda comunicou que o governo ampliará o “drawback do Recof”, que significa aumentar a suspensão de tributos incidentes sobre importados para utilização em produtos que serão exportados. “São decisões que devem ser observadas com cautela, por conta do período eleitoral, mas devem fazer parte da análise das empresas como forma de otimizar os recursos e encontrar saídas para manter os negócios ativos”, avalia.

A expectativa da Abimci é de um fim de ano estável para os negócios internacionais, já que houve um ligeiro ganho para o setor com a retomada da economia norte-americana. “A recuperação é lenta e não podemos sonhar com o mercado da década passada, mas o segmento vive um bom momento comercial com as exportações a partir de uma demanda constante e preços competitivos. Assim, esses anúncios devem contribuir para que esses bons resultados até o final de 2014 se confirmem”, afirma o presidente da Associação, José Carlos Januário.

Entenda o Reintegra

 

Criado em 2011 pelo governo federal para compensar o custo cambial na forma de créditos tributários, o Regime Especial de Reintegração de Valores Tributários para as Empresas Exportadoras (Reintegra), prevê a devolução às indústrias de até 3% do valor de bens exportados. Um crédito de PIS e Cofins, calculado com base na exportação, e ‘presumido’, pois, para a Lei, é irrelevante se a indústria teve ou não algum custo para exportar. É considerado receita decorrente da exportação o valor da mercadoria no local de embarque ou o valor da nota fiscal de venda para Empresa Comercial Exportadora (ECE).

 

Fonte: ABIMCI



Publicidade