Tecnologia e Manejo

18/05

Características do tomate BRS Imigrante reforçam seu potencial de cultivo no Brasil

Características do tomate BRS Imigrante reforçam seu potencial de cultivo no Brasil

 

Uma solução tecnológica para uma demanda emergencial mudou, a partir de 2015, o panorama do cultivo de tomate de mesa no Espírito Santo e no Rio de Janeiro, ameaçados por uma nova doença que ainda não existia no Brasil desde então – a murcha de Fusarium raça 3. Essa enfermidade é causada pelo fungo de solo Fusarium oxysporum f. sp. lycopersi que pode entrar em novas áreas de cultivo através de sementes e maquinaria contaminadas. A murcha de Fusarium raça 3 vinha provocando um grande estrago nas principais regiões produtoras desses dois Estados, requerendo a substituição de variedades já adaptadas uma vez que todas se mostraram altamente sensíveis à doença.

O contraponto a essa situação foi o desenvolvimento de um novo material, o híbrido ‘BRS Imigrante’, lançado pela Embrapa Hortaliças (Brasília, DF) em 2014, com tolerância às três raças do fungo Fusarium oxysporum f. sp. lycopersi. Atualmente, o BRS Imigrante é destaque no Espírito Santo no segmento de produção de tomates do tipo salada e vem apresentando excelente desempenho em cultivos conduzidos em Venda Nova do Imigrante, São Roque e Colatina (ES), e em Paty do Alferes (RJ) e no Distrito Federal. “O interessante desse híbrido é que ele vem apresentando um ótimo desempenho também em áreas onde não há a presença do fungo, como no município de Caçador, em Santa Catarina, e em Goiás”, descreve o pesquisador Leonardo Boiteux, coordenador do programa de melhoramento genético de tomate.

Entre as características do BRS Imigrante, além da resistência às três raças do fungo, ele destaca a firmeza e o tamanho dos frutos, o sabor adocicado (o teor de sólidos solúveis situam-se em torno de 4.5º brix) e pela vida útil pós-colheita. De acordo com o pesquisador, geralmente os tomates com alta resistência às variantes do Fusarium apresentam frutos moles e com pouca durabilidade após serem colhidos, o que não ocorre com o BRS Imigrante. Mas não terminam aí as qualidades do material, que é destaque ainda no quesito da produtividade.

Segundo Boiteux, a cultivar tem crescimento determinado, o que facilita a colheita, uma muito boa colheita, por sinal. “Em experimentos conduzidos em cultivo protegido na região do Distrito Federal, e em campo aberto em Pelotas (RS) e em Venda Nova do Imigrante (ES) apresentou potencial produtivo de até 480 caixas de 25 kg por 1000 plantas – em média, 12 kg planta”.

Etapas dapesquisa
A demanda vinda do Espírito Santo constituiu o primeiro passo das pesquisas conduzidas pela Embrapa Hortaliças, em parceria com o Instituto Capixaba de Pesquisa, Assistência Técnica e Extensão Rural (Incaper), representado pelo pesquisador Hélcio Costa, que registra a excelência do híbrido ao sublinhar que o BRS Imigrante “superou as expectativas, ao apresentar níveis elevados de resistência em todos os ensaios instalados em áreas contaminadas pelo Fusarium raça 3”.

No âmbito da Unidade da Embrapa, o trabalho recebeu a contribuição do pesquisador Ailton Reis, da área de Fitopatologia, que atuou na seleção de fontes de resistência, resultando no desenvolvimento de linhagens avançadas com características bastante promissoras ante a virulência do fungo. Outra vantagem do ‘BRS Imigrante’ para o Espírito Santo é sua a resistência aos begomovírus (transmitidos por mosca-branca) e a mancha foliar de Stemphylium que, recentemente, se tornaram grandes problemas na região, diz Boiteux.

Por se tratar de um patógeno de solo, o uso de produtos químicos não garante o seu total controle, daí a importância de procurar desenvolver híbridos resistentes, como o BRS Imigrante, que proporcionam a redução dos custos de produção, além de outras características que reforçam o seu diferencial com relação a outras cultivares de tomate tipo salada. Outra vantagem é que os níveis de resistência são tão altos que o produtor pode novamente utilizar o solo infestado com o patógeno, evitando a assim necessidade buscar e/ou abrir novas áreas de cultivo protegendo o meio-ambiente.

Sementes
O BRS Imigrante foi desenvolvido por meio de contrato de cooperação técnica entre a Embrapa e a Empresa Agrocinco, em conformidade com os termos da Lei nº 10.973 e do Decreto nº 5.563 que dispõem sobre incentivos à inovação e garantem exclusividade de comercialização de sementes por empresas financiadoras das pesquisas. Dessa forma, os interessados em adquirir sementes dessa cultivar devem entrar em contato com a Agrocinco pelo e-mail agrocinco@agrocinco.com ou pelo telefone (19) 3879-6787.

 

Anelise Macedo (MTB 2.748/DF) 
Embrapa Hortaliças 
 
Telefone: (61) 3385-9110

 

Mais informações sobre o tema
Serviço de Atendimento ao Cidadão (SAC)

www.embrapa.br/fale-conosco/sac/



Publicidade