Tecnologia e Manejo

27/07

Bananas transgênicas podem salvar vidas na África

Bananas transgênicas podem salvar vidas na África

 

Apesar de ser bastante popular no Brasil, não há consenso sobre a origem da banana. Entretanto, uma coisa é certa: ela não é brasileira. A maior parte dos estudos admite que ela veio do Sudeste Asiático. Cultivada em mais de 130 países atualmente, a fruta é o principal alimento da dieta diária de diversos países africanos, a exemplo de Uganda. Para melhorar as características nutricionais da banana, pesquisadores da Universidade de Tecnologia de Queensland, na Austrália, trabalham há mais de uma década no desenvolvimento de plantas geneticamente modificadas (GM) que contenham mais vitamina A.

 

A estratégia dos cientistas foi identificar o gene de uma espécie de banana originária da Papua Nova Guiné que, apesar de possuir cachos pequenos, é naturalmente rica em vitamina A. Esse gene foi inserido na banana Cavendish, que apresenta frutos maiores, mas é menos rica no nutriente. De acordo com o pesquisador que conduz o estudo, o professor James Dale, a nova variedade transgênica, chamada “banana dourada”, possui uma concentração de vitamina A até quatro vezes maior do que a fruta convencional. Os resultados do trabalho foram publicados neste mês de julho.

 

Durante a pesquisa, havia preocupação com um possível declínio da concentração de vitamina ao longo das gerações da planta. No entanto, os cientistas verificaram que não houve decréscimo mesmo após cinco gerações. A “banana dourada” enriquecida com a vitamina A será submetida a aprovação regulatória para comercialização em Uganda. Após passar por essa etapa, a previsão é que o organismo geneticamente modificado (OGM) chegue ao campo em 2021.

 

O projeto é apoiado pela Fundação Bill & Melinda Gates e tem como objetivo salvar vidas na África, onde a deficiência do nutriente provoca a morte de milhares de crianças e compromete a visão de milhares de outras.

 

Fonte: QUT e Wiley Online Library, julho de 2017.



Publicidade