Tecnologia e Manejo

27/06

Feijão agora pode ser rastreado pelo celular do consumidor

Feijão agora pode ser rastreado pelo celular do consumidor

 

Bovinos são rastreados e marcados para atestar a qualidade sanitária e origem do rebanho. Com o feijão, isso não acontece. Ou melhor, não acontecia, pois neste mês começou a circular o “feijão premium”, com origem na região de Castro, no Paraná - maior produtor de feijão do Brasil.

 

Se “moda pega”, o consumidor brasileiro será beneficiado, já que é o povo que mais consome o cereal no mundo, com média de quase 15 kg por pessoa ao ano.

 

Apesar da quantidade, “os empacotadores não sabem de onde vem o produto, nem como foi produzido”, explica diretor de operações da Castrolanda, Marcos Antônio Prado. “Nessa nova linha que estamos produzindo, acompanhamos todo processo de produção do feijão preto e carioquinha”, completa, referindo ao lançamento da empresa, o Feijão Tropeiro Seleção.

 

Feijão com QR Code

 

As informações coletadas são repassadas ao consumidor pelo próprio pacote do feijão, da seguinte maneira: 

 

Ao final da colheita, é feita uma seleção dos maiores e melhores feijões. O cereal é, então, empacotado e distribuído ao varejo com uma embalagem diferente. A partir de uma espécie de código de barras (QRCode), basta apontar a câmera do celular para ser redirecionado ao site do produto, que apresenta informações do processo de produção da linha Premium de feijão da Castrolanda.

 

A promessa, contudo, é que ainda neste ano o consumidor tenha mais informações e conheça com mais precisão, a partir do QR Code, de qual propriedade saiu o feijão que está no pacote que está sendo adquirido.

 

Feijão premium: selecionado da terra ao celular

 

A ideia da cooperativa é acompanhar o produtor desde que a semente selecionada especialmente para a produção é colocada na terra. Outra meta é diminuir o uso de agroquímicos. Tudo com o acompanhamento da Fundação ABC, uma ONG de soluções tecnológicas para o agronegócio.

 

Willem Bauwman é um dos escolhidos para produzir o alimento. Ele irá plantar sua primeira safra premium em outubro, para colher em janeiro.

 

“Existem pequenas diferenças de cultivo e uso de defensivos ”, conta. A motivação, segundo ele, vai além do recebimento de um valor extra por plantar sementes diferenciadas. “Indica que sou um produtor confiável”, completa.

 

Nessa primeira distribuição, foram produzidas cerca de 1 mil toneladas em 300 hectares de feijão preto e carioquinha.

 

“O produto está sendo inicialmente ofertado em três redes de supermercados de Curitiba”, informa Cleverson Castilhos, coordenador de vendas para o varejo. “E queremos evoluir para outras variedades, como o feijão vermelho”, completa Everson Lugarezio gerente de negócios de feijão da Castrolanda.

 

A intenção é expandir a produção para cooperados em São Paulo e no Centro Oeste, a fim de oferecer feijão durante todo o ciclo anual e também expandir a linha para outras regiões do Brasil.

 

Gazeta do Povo 



Publicidade