Tecnologia e Manejo

20/09

Pesquisador orienta sobre mercado de eucalipto

Pesquisador orienta sobre mercado de eucalipto

 

O pesquisador explica:


1) Quais fatores interferem na lucratividade de um plantio florestal? 
 

Como qualquer atividade econômica, vários são os fatores que interferem na lucratividade de um plantio florestal. Os primeiros dizem respeito à receita da atividade, sendo a produtividade e o preço recebido pelo produtor os dois principais fatores que determinam a lucratividade. Dentre os custos que são desembolsados pelos produtores uma categoria importante são os de colheita e transporte da produção até o consumidor final.

Mesmo que o produtor rural tenha intenção de vender a madeira em pé, o comprador irá levar em consideração o preço que ele conseguirá no consumidor final e descontará os custos de colheita e transporte, de maneira que estes irão impactar no preço pago ao produtor pela madeira em pé. Entre os custos que o produtor rural não desembolsa, mas que tem forte influência na lucratividade, estão o custo de oportunidade do capital e da terra utilizada na atividade. Estes são representados pelo quanto o produtor ganharia se alocasse o seu dinheiro e a sua terra em outra atividade que não fosse a floresta.

O Preço do produto é o que mais influencia a lucratividade, mas o produtor não tem poder sobre o preço que o consumidor irá pagar pela madeira. O que o produtor pode intervir é na produtividade, que também exerce forte influência. Entre os custos, os principais são os de colheita e transporte que, embora o produtor não os controle, tem forte influência no preço recebido pelo produtor e, consequentemente, na lucratividade, e são referências a serem consideradas antes do plantio para saber a lucratividade potencial da floresta plantada.
 
 
2) O que o produtor rural deve levar em consideração quando resolve investir em plantio florestal?
 
Primeiramente o produtor deve escolher o mercado que o mesmo pretende ofertar a sua madeira antes de iniciar o plantio, orientando a escolha do material genético (espécie), espaçamento de plantio, forma de manejo da floresta de maneira a produzir madeira adequada ao mercado selecionado. Deve conhecer ou ter conhecimento de quais consumidores pretende entregar a sua madeira.
 
O ideal é o produtor observar não apenas um único consumidor, mas vários consumidores no momento de tomar a sua decisão. Realizar a atividade tendo analisado apenas um comprador é um risco que o produtor corre, pois poderá não ter outro consumidor para vender caso o preço pago pelo consumidor inicialmente selecionado esteja muito baixo.
 
A partir daí o produtor deverá se informar sobre quais seriam os custos de colheita e transporte, para a sua área, de uma floresta na como ele pretende produzir até alguns consumidores selecionados. Declividade do terreno, distância total até o consumidor e a parte percorrida em estradas de terra ou com manutenção ruim tem forte influência no custo de colheita.
 
Depois o mesmo deve escolher o material genético (espécie), sendo importante a escolha de mudas de qualidade, e a forma como irá manejar a sua floresta (se para lenha, celulose, ou múltiplo uso - serraria, construção civil, palanques, lenha, etc...) e seguir as recomendações técnicas. A partir dai avaliar como anda o mercado selecionado a cada dois ou três anos até a idade de colheita, e todo ano a partir daí, sendo ideal esperar por um bom momento para comercializar a sua madeira.
 
3) Qual a importância dos custos com colheita e frete?
 
A colheita e o transporte de uma floresta são os dois maiores custos que o produtor rural vai desembolsar ao entrar na atividade florestal. Digamos que ele tenha um consumidor de lenha que pague R$ 60,00 por metro estereo de madeira, e que ele tenha conseguido uma produção de 350 metros estereos (st) de madeira no sétimo ano (um incremento médio anual (IMA) de aproximadamente 35 m³/ha por ano ou 50 st/ha por ano), a receita esperada é de R$ 21,000,00 por hectare ao final de sete anos. 
 
Suponha que ele tenha gasto R$ 4.500,00 para plantar a floresta e cuidar dela no primeiro ano, mais R$ 1.500,00 para cuidar no segundo ano. Sobrariam R$ 15.000,00. Caso o custo de colheita (corte e remoção) fique em R$ 15,00/st, teria um gasto de R$ 5.250,00 por hectare, sobrando R$ 9.750,00/ha. Se o custo de transporte for de R$ 15,00/st, sobram R$ 4.500,00 para o produtor após o pagamento do transporte. Caso o custo de transporte seja de R$ 25,00/st, sobrariam apenas R$ 1.000,00 para o produtor.
 
Agora se o preço da madeira for de R$ 80,00, mesmo com o frete mais caro, sobrariam  R$ 8.000,00/hectare para o produtor, e com o frete mais barato, R$ 11.500,00/hectare. Observa-se que mesmo com o preço mais baixo, o retorno é maior se o consumidor estiver mais próximo da produção, e pequenas variações no custo de frete tem forte impacto no valor que o produtor recebe pela madeira. Daí a importância de se ter ideia destes custos antes de plantar, mesmo que a madeira seja vendida em pé.
 
O custo de colheita sofre influência da declividade do terreno (quanto mais dobrada a área menor o rendimento dos trabalhadores por dia e mais cara fica a colheita) e da qualidade da floresta (árvores mais grossas - mais produtivas - aumentam o rendimento da operação e reduzem o custo de colheita). Já o custo de transporte sofre influência da distância e da qualidade das estradas (terra ou asfalto, declividade).
 
 
4) Para o pequeno e médio produtor rural, vale a pena investir em plantio florestal?

 

Sim, desde que tenha havido o mínimo de planejamento que possa embasar a decisão. Embora a atividade florestal seja de longo prazo, o que envolve algum risco, não há uma idade obrigatória de corte da floresta, de tal forma que cada produtor pode tomar a sua decisão baseando no produto que espera produzir e no preço de mercado pago.

 

Os produtores que seguem as recomendações silviculturais e manejam as florestas adequadamente tem boas possibilidades caso tenham estudado minimamente o mercado que irão participar. Plantar porque alguém disse que é um bom negócio e deixar para procurar um comprador apenas perto da idade de corte é um dos principais fatores de insucesso na atividade florestal. Assim como aumenta de maneira significativa possibilidade de sucesso da atividade florestal o conhecimento do mercado que vai se atender. 

 

Plantar florestas envolve longo prazo, possibilidade de obter vários produtos com preços variados (dependendo do diâmetro da tora). Ter conhecimento do mercado que se vai atender é fundamental para orientar as estratégias de manejo da floresta bem como da viabilidade do negócio. 

 
Caso haja mercado para toras mais grossas na região onde está o produtor, ele pode optar por regimes mais longos visando produtos de maior valor agregado. Neste caso é importante observar o custo de oportunidade da terra. Plantar em terra de custo alto, que poderia ser utilizada para agricultura, pode impactar de maneira significativa o sistema de produção, uma vez que ela estaria imobilizada na atividade por quinze a vinte anos até o corte final. 
 

Katia Pichelli (MTb 3594/PR) 
Embrapa Florestas 
 
Telefone: (41) 3675-5638

 

Mais informações sobre o tema
Serviço de Atendimento ao Cidadão (SAC)

www.embrapa.br/fale-conosco/sac/



Publicidade