Tecnologia e Manejo

15/08

Tosquia e vacinação contra clostridioses podem evitar perdas econômicas para os produtores de ovinos

Tosquia e vacinação contra clostridioses podem evitar perdas econômicas para os produtores de ovinos

 

A tosquia e a vacinação dos rebanhos contra a clostridioses são procedimentos que os produtores da região Centro-Oeste devem adotar nos meses de agosto e setembro para evitar perdas econômicas.

De acordo com o pesquisador da Embrapa, Fernando Reis, a tosquia dos animais, independente da raça, favorece o desempenho reprodutivo e o ganho de peso, além de ser recomendada por fatores de ordem fisiológica. Ele explica que não há restrições para a realização da tosquia em outras épocas do ano, mas o período que vai da segunda quinzena de agosto até o início de setembro, entre o inverno e a primavera, é indicado para esse manejo porque se caracteriza pela diminuição do frio e ausência de chuvas, que poderiam debilitar os animais com a retirada da lã. O processo de tosquia pode ser realizado com máquinas tosquiadeiras elétricas ou com tesouras apropriadas, também conhecidas como martelos. 

As clostridioses, junto com a raiva e a intoxicação por plantas, são uma das principais causas de mortalidade nos rebanhos de bovinos, ovinos e caprinos e causam perdas econômicas importantes para o produtor. Essas doenças são causadas por bactérias que habitam o intestino dos animais e também estão presentes do solo, na água e nas instalações. Quando elas se multiplicam de forma exagerada ou se algum ferimento for contaminado com seus esporos, as clostridioses são desencadeadas.  

O pesquisador afirma que a proteção dos rebanhos é feita por meio de vacinação porque o tratamento com antibióticos não é efetivo. “Essas doenças matam os animais rapidamente”.  A vacina, que pode ser aplicada por manejadores treinados, é polivalente, ou seja, protege contra vários tipos de bactérias e confere alto grau de imunidade. “Mas sua eficiência não é de 100% e podem ocorrer casos de clostridiose no rebanho de forma esporádica, afetando um ou outro animal”, explica Reis. 

Existem várias opções de vacinas no mercado e o custo médio é de 20 centavos de real por animal. Todo o rebanho deve ser vacinado conforme orientações abaixo:
- Em animais não vacinados: aplicar duas doses de vacina com um intervalo de quatro a seis semanas entre as vacinações.
- Em filhos de mães não vacinadas: a primeira dose deve ser efetuada a partir da 3ª semana de idade.
- Em filhos de mães que já foram vacinadas:  a vacina deve ser aplicada a partir da 9ª semana de idade 
- Animais já vacinados: revaciná-los a cada ano.
- Em fêmeas gestantes: fazer a revacinação anual de 4 a 6 semanas antes do parto.

O produtor deve sempre consultar um médico-veterinário para orientar a aquisição de vacinas de laboratórios idôneos e de maior eficácia.

 

Adriana Brandão (MTb CE01067JP) 
Embrapa Caprinos e Ovinos 

Contatos para a imprensa 
 
Telefone: (88)3112.7463

 

Mais informações sobre o tema
Serviço de Atendimento ao Cidadão (SAC)

www.embrapa.br/fale-conosco/sac/



Publicidade