Tecnologia e Manejo

04/11

Pastagens para produção de ovinos

Pastagens para produção de ovinos

 

A criação de ovinos no Brasil vem crescendo significativamente nos últimos anos, e o principal sistema de alimentação escolhido é a pastagem. Os ovinos são muito exigentes nutricionalmente e necessitam de uma forragem de boa qualidade, por isso é de extrema importância conhecer as características da alimentação oferecida para os animais, já que a nutrição é o principal fator que auxilia no crescimento deles.

A utilização da pastagem como fonte primária de energia na dieta de animais ruminantes apresenta grandes vantagens econômicas para o desenvolvimento da ovinocultura, entretanto, são necessários a escolha correta da forrageira, o conhecimento do quanto a forrageira atende as exigências dos animais, e também o correto manejo dessas pastagens (Silva Sobrinho, 2001). Os ovinos são muito seletivos e escolhem partes específicas da forragem para pastejar, rejeitando as partes mais fibrosas e de menor valor nutritivo, tem também preferência por pastagens mais baixas e são de hábito gregário, ou seja, sempre estão em grupo. Portanto as que mais se encaixam serão aquelas forragens de menor porte e que possuam boa capacidade de rebrota.

Uma estratégia de manejo de pastagens que está sendo muito utilizada e que quando bem usada busca respeitar a fisiologia da planta forrageira visando a perenidade do sistema é o pastejo rotacionado, pois garante o tempo correto de repouso do capim resultando em boa rebrota até que os animais iniciem outro ciclo de pastejo. No entanto, não há uma forragem certa para ser utilizada. A escolha da forragem depende do sistema de produção, das condições climáticas, entre outras características. Devido essas características, as forrageiras mais indicadas para o pastejo de ovinos seriam aquelas de hábito mais prostradas, como Coast Cross, Estrela, Tifton (Do Gênero Cynodon), Pangola (do gênero Digitaria), Pensacola (do gênero Paspalum). Essas forrageiras estão mais adequedas ao uso pelos ovinos, com boa aceitabilidade e atende as exigências dos animais. Porém a maioria dessas gramíneas tem propagação por muda, e se torna mais caro e dificil sua formação para pastejo.

O capim Coastcross possui uma boa produção de matéria seca, excelente valor nutritivo, e, acima de tudo, pode ser utilizado como pastagem, feno, ou silagem. Carnevalli & Silva (1999) citado por Carnevalli et al.,2001, trabalhando com Coastcross pastejado por ovinos, observaram uma amplitude anual das taxas de acúmulo de matéria seca de 30 a 90 kg/ha/dia de MS e uma produção anual média estimada em 23 toneladas de MS/ha. Já Vilela & Alvim (1996) citado por Carnevalli et al., 2001, obtiveram 20 t/ha/ano de MS de Coastcross submetido ao pastejo por vacas leiteiras.

A grama estrela se destaca no sistema de produção devido ao fácil estabelecimento, elevado potencial de produção de biomassa e alta palatabilidade. A formação de pastagem de grama estrela é por mudas, e embora haja produção de sementes viáveis, a quantidade produzida é muito baixa inviabilizando essa forma de propagação. Possui boa persistência, alta produção de forragem, entre 12 a 17 toneladas de MS/ha, além altos de teores de proteína bruta.

O capim Tifton 85 se destaca dentre as forrageiras tropicais pela boa capacidade de cobertura de solo e produção de massa de forragem, alta digestibilidade e alta produtividade com produções anuais na faixa de 18 a 25 toneldas de MS/ha. Caracteriza-se como uma planta perene, estolonífera e também rizomatosa que gera uma boa resistência a seca, ao frio, e suportam rebaixamento superior em relação a outras espécies. Pode ser utilizado para pastejo ou fenação em decorrência da boa relação folha/colmo que possui. Uma desvantagem do Tífton 85 é o custo de implantação inicial, sendo que as pastagens dessa forrageira são formadas por mudas.

A gramínea Pensacola é originária da Argentina e está bem adaptada a climas temperados, por isso no Brasil é mais difundida na região sul do país. É uma gramínea perene, possui rizomas curtos e grossos, com facilidade de ocupar bem todo o terreno, com uma produção anual de 8 a 10 toneladas de MS/ha. Sua implantação pode ser feita por sementes, o que reduz significativamente os custos. A germinação da semente pode ser um pouco lenta devido ao tegumento duro e por possuir um estado de dormência, podendo haver inicialmente alta infestação de plantas daninhas.

Em regiões de clima mais ameno como o sul do Brasil, pode usar as forrageiras anuais de inverno como a Aveia Preta (Avena Strígosa) ou Azevém (Lolium multzflorum), para a nutrição de ovinos e eles respondem muito bem a essas forrageiras, tendo boa aceitabilidade e ganho de peso.

No Brasil as gramíneas forrageiras predominante nos sistemas pastoris são aquelas pertencentes ao Gênero Brachiaria, que ocupam cerca de 75% dos 100 milhões de hectares das pastagens cultivadas, sendo mais utilizadas e conhecidas as espécies Brachiaria decumbens (cultivar Basilisk) e Brachiaria brizantha (cultivar Marandu). Porém elas apresentam baixo valor nutritivo - o que limita sua utilização, além do problema de fotossensibilização, principalmente nos animais mais jovens. Mas, com o correto manejo, esse problema pode ser minimizado e os animais que nunca pastejaram a braquiária podem passar por um processo de adaptação ao pastejo dessa gramínea.

A Brachiaria possui exigência média em solos, adaptando-se tanto em solos argilosos quanto nos arenosos e áreas tropicais úmidas com estação seca de 4 a 5 meses. Não consegue uma boa associação com leguminosas devido ao hábito de crescimento prostrado, que impede o crescimento de outras forrageiras, e se propaga por mudas ou sementes. A brachiaria produz cerca de 15 a 20 toneladas de MS/ha/ano, e a variação da produção depende de fatores que são responsáveis pelo seu crescimento e desenvolvimento como clima, adubação, umidade do solo, entre outros.

Outra espécie forrageira que pode ser utilizada para a nutrição dos ovinos é a do gênero Panicum, como o capim Aruana que possui uma altura adequada para o pastejo dos ovinos, propagação por semente e boa capacidade de rebrota. Esta também é uma boa alternativa a ser utilizada na criação de ovinos no Brasil. Mas não se pode fugir da ideia de um correto manejo para atingir o sucesso da produção. Gramíneas dos gêneros Panicum (como Aruana, Áries, Massai e Tanzânia) têm apresentado capacidade de suporte e valor nutritivo bastante elevado, sendo recomendados para sistemas intensivos de produção de ovinos (Brâncio et al., 2003).

Outro fator a ser considerado é a estacionalidade na produção das plantas forrageiras, resultado da menor luminosidade, temperatura e chuva, durante o inverno, resultando em forragem de baixa produção e qualidade, insuficientes para atender as exigências dos animais. Nesse momento é necessário optar por alternativas para alimentar os animais como a conservação de forragem sob a forma de feno e silagem, o uso de gramíneas de inverno, e o diferimento. Embora todas as espécies anteriormente mencionadas apresentem potencial para uso como pastagens para ovinos, não se deve esquecer a importância do manejo correto da planta forrageira e do animal para se atingir o sucesso da produção.

Referências Bibliográficas

ANDRADE et al. Grama-estrela-roxa: Gramínea forrageira para diversificação de pastagem no Acre. Rio Branco: Embrapa Acre, 83 p, 2009.

BRÂNCIO, P.A.; EUCLIDES, V.P.B., NASCIMENTO JÚNIOR, D. et al. Avaliação de três cultivares de Panicum maximum Jacq. sob pastejo: Disponibilidade de forragem, altura do resíduo pós-pastejo e participação de folhas, colmos e material morto. Revista Brasileira de Zootecnia, v.32, n.1, p.55-63, 2003.

CARNEVALLI, R.A. et al. Desempenho de ovinos e respostas de pastagem de Coast Cross submetidos a regime de desfolha sob lotação contínua. Disponivel em:
http://www.scielo.br/pdf/pab/v36n6/a10v36n6.pdf. Acesso em 10 out. 2013.

SILVA SOBRINHO A.G. Aspectos quantitativos e qualitativos da produção de carne ovina. A produção animal na visão dos brasileiros. Piracicaba: Fundação de Estudos Agrários "Luiz de Queiroz", 2001. P. 425-446.

* Zootecnista formada pela Unesp de Botucatu e 

** Consultor da Campo - S/A, Engenheiro Agrônomo formado pela ESALQ - USP Mestre em Ciência Animal e Pastagem pela ESALQ- USP.

 

Fonte: Sociedade Rural Brasileira Autores: Laís Ribeiro * e Murilo Saraiva Guimarães



Publicidade