Tecnologia e Manejo

14/06

Como criar peru

Como criar peru

 

carne é saborosa, magra e vem conquistando mais espaço nos balcões refrigerados dos supermercados. As penas são procuradas para preencher travesseiros, almofadas e acolchoados. Até o esterco pode ser utilizado para adubar hortas e canteiros. Além desse leque de opções de vendas, o peru apresenta vantagens na hora de criar. Resistente e rústico, ele é fácil de lidar. Não tem restrição ao clima e se desenvolve bem em pequenas áreas.

Porém, as condições de manejo devem ser rigorosas. É necessária boa higiene e alimentação, principalmente até o sexto mês de vida, quando os peruzinhos ainda são frágeis e mais vulneráveis para contrair doenças.

Nos primeiros meses, os filhotes estão sujeitos à "crise do vermelho", sobretudo quando as aves são expostas a dias de chuva, vento forte, geada ou sol intenso. A doença ocorre na formação das carúnculas e deixa os perus debilitados. Para que ganhem mais resistência é recomendado alimentá-los, nos primeiros dias, com uma mistura de ovo, cebola, quirera de milho e verdura, tudo bem picado. Depois inicie a ração farelada e, em 30 dias, a de crescimento.

Os perus têm crescimento rápido. Com quatro meses, algumas raças já contam com machos de 15 quilos e fêmeas de oito quilos. A partir do quinto mês, os perus já podem ser abatidos.

A idade de reprodução, no entanto, ocorre aos oito meses de vida. As fêmeas têm quatro posturas ao ano, entre julho e setembro. Cada uma consegue botar de 15 a 20 ovos por postura. Como são grandes, chegam a cobrir, em média, de 15 a 18 unidades em 28 dias de incubação. Além disso, são ótimas mães, a ponto de serem chocadeiras de ovos de outras espécies.

Mãos à obra

• Há várias opções para começar a criação de peru. Pode ser com a aquisição de ovos para incubação e de filhotes de um dia. Porém, quando pequenas, as aves demandam cuidados redobrados. Por isso, uma alternativa para os iniciantes na atividade é adquirir perus jovens ou adultos.

• A área para criar pode ser um abrigo rústico, protegido por telas de arame, coberto com telhas de barro em plano inclinado, instalado em um pequeno espaço.

• Monte o viveiro com algumas ripas e pedaços de madeira, encontradas em lojas de materiais de construção. Para baratear os custos, uma opção é arranjar sobras de madeira e serrá-las no formato adequado para a pequena obra.

• Recomenda-se fazer duas paredes de tela e duas de madeira ou alvenaria, desde que sejam transversais. Os lados fechados impedem a correnteza de ar e protegem os perus do frio. O canto do muro no fundo de quintal pode ser aproveitado, o que reduz o investimento inicial e o trabalho de construção.

• São indicadas medidas de 4 x 3 x 2 metros de altura para acomodar uma família de perus – um macho e três fêmeas. De madeira, ou até mesmo de galhos de árvores firmes, faça um poleiro para as aves subirem. Deve ter um metro de altura, com 60 a 80 centímetros de distância entre as bases.

• O ninho de 40 centímetros quadrados e 30 centímetros de altura também pode ser construído pelo próprio produtor. Depois de pronto, ajeite um pouco de palha ou capim seco no interior.

• Mantenha o viveiro sempre limpo e seco. Pulverize o ambiente com desinfetante. O chão pode ser ripado ou coberto de maravalha grossa de madeira e sabugo moído, materiais que facilitam a absorção da umidade. Troque sempre que necessário.

Dicas e curiosidades

• Os peruzinhos de um dia são outro canal de venda na criação, mas exigem muita dedicação do criador. Precisam ficar protegidos da umidade e do vento. Para evitar que comam as próprias fezes, devem ser mantidos em local suspenso, como uma gaiola ou um suporte de ripas.

• A alimentação dos perus sai barato. Cerca de 70% de tudo que as aves comem por dia correspondem ao verde – folhas fibrosas, exceto o alface, que pode provocar diarréia.

Raças e características

Holandês branco, bourbon vermelho, mamouth bronzeado e beltsville branco são raças de peru domesticadas. Há ainda o caipira, resultado do cruzamento delas. As mais adaptadas no Brasil são a mamouth bronzeado e beltsville branco, ambas indicadas para a produção de carne. A mamouth apresenta bom rendimento, enquanto a beltsville tem carne tenra e suave. Todas são grandes, mas existem também os perus pequenos, exóticos e muito usados para ornamentação.

Endereços

Consultora: Maria Virgínia Franco da Silva, membro da ABC Aves – Associação Brasileira de Criadores de Aves de Raça Pura, endereço para correspondência: Rua Ferrúcio Dupré, 68, CEP 04776-180, Interlagos, São Paulo, SP, tel. (11) 5667-3495.

Mais informações: João Germano de Almeida, presidente da ABC Aves, tel. (11) 9135-2041.

Globo Rural 



Publicidade