Tecnologia e Manejo

05/09

Alertas de Mercado: Boi, Leite, Milho, Ovos, Soja e Trigo

Alertas de Mercado: Boi, Leite, Milho, Ovos, Soja e Trigo

 

Boi

 

A arroba do boi gordo continua em trajetória de recuperação. Comparando-se a média vigente para as trinta e duas praças pecuárias pesquisadas pela Scot Consultoria para o boi gordo em 1 de setembro com a do mesmo período de agosto (1/8), a alta verificada foi de 10,0%. Destaque para Mato Grosso do Sul, Rondônia, Paraná e São Paulo, que tiveram reajustes superiores a 15,0%. Nos estados citados, os incrementos médios de preço no período foram de 17,0%, 16,6%, 16,0%, 15,7%, respectivamente.

 

No contexto de restrição de oferta, enxugamento das escalas de abate e dos estoques, o preço da carne bovina com osso subiu, com alta de 8,1% frente à referência verificada no fim da semana passada. A carcaça de bovinos castrados ficou cotada em R$9,78/kg no mercado atacadista de São Paulo (1/9). Mesmo com o reajuste para a carne com osso, a alta em maior magnitude para o boi gordo reduziu a margem de comercialização dos frigoríficos, que após meses de situação bastante favorável sob a ótica histórica, se encontra em patamares próximos da média dos últimos dez anos.

 

Leite

 

Os preços do leite UHT estão em queda no mercado atacadista de São Paulo, refletindo a demanda enfraquecida por parte da ponta consumidora. Entre 28 de agosto e 1º de setembro, o derivado teve média de R$ 2,15 por litro, recuo de 1,3% frente à semana anterior – os preços mínimo e máximo captados pelo Cepea também foram menores. Segundo colaboradores, a expectativa para esta semana é de que o mercado reaja, movimento típico em início de mês devido ao pagamento dos salários. Quanto ao queijo muçarela, os preços caíram 1,1% na mesma comparação, para a média de R$ 14,46/kg entre 28 de agosto e 1º de setembro.

 

Milho 

 

Os preços do milho subiram em agosto, refletindo a posição retraída de vendedores. Desestimulados com os baixos patamares de preços, produtores aguardam cotações mais elevadas para negociar, limitando a oferta. Nesse cenário, segundo colaboradores do Cepea, compradores que têm trabalhado com estoques curtos tiveram de aumentar os valores de suas ofertas para adquirir lotes.

 

Em Campinas (SP), base do Indicador ESALQ/BM&FBovespa de milho, o cenário também foi de alta, devido à firme demanda. No dia 31 de agosto, o Indicador fechou a R$ 27,30/saca de 60 quilos, valorização de 1,2% em relação à quinta-feira anterior e de expressivos 7,3% frente ao dia 31 de julho. A média mensal do Indicador fechou a R$ 26,67/sc, ligeiro aumento de 1,3% frente à média de julho e a primeira alta desde fevereiro. 

 

Ovos

 

No decorrer da semana passada (35ª semana do ano, 28 de agosto a 02 de setembro) a caixa de ovos brancos sofreu uma baixa nos negócios realizados: abriu a semana com o preço médio de R$76,00 e encerrou a semana em R$75,00. Com isso, o preço médio semanal retrocedeu para R$75,33, equivalendo a queda de 4,3% em relação à semana anterior.

 

Já em relação à mesma semana do ano passado, o índice passou a ser positivo. No curto período das últimas 10 semanas o índice negativo é de 3,45% em relação ao mesmo período de 2016, enquanto no acumulado do ano permanece positivo, em 6,2%. 

 

No último biênio, a 36ª semana (04 a 09 de setembro) foi de manutenção ou pequeno aumento no preço médio semanal. A semana atual traz boas perspectivas pelo recebimento dos salários da grande massa trabalhadora. Pena que tem um feriado - prolongado para muitos - e não se sabe o quanto isso afetará a demanda pelo produto.

 

Soja 

 

Expectativas de oferta superior à demanda no final da temporada 2017/18 vêm pressionando os valores da soja. Produtores, no entanto, estão retraídos das vendas que envolvem grandes lotes, à espera de valorizações nos próximos meses. Segundo pesquisadores do Cepea, o recuo vendedor está atrelado às previsões de tempestades nos Estados Unidos, que podem interromper a colheita no centro-oeste daquele país e favorecer as vendas brasileiras (as atividades nos EUA têm previsão de início para os próximos 15 dias).

 

Além disso, com a possibilidade de atraso de semeio no Brasil, por causa das previsões de baixo nível pluviométrico no início de setembro em Cascavel (PR) e Sorriso (MT), produtores esperam melhores oportunidades de vendas. Entre julho e agosto, a média do Indicador da soja ESALQ/BM&FBovespa Paranaguá registrou forte queda de 3,3%, fechando a R$ 69,83/sc de 60 kg no mês passado. O Indicador CEPEA/ESALQ Paraná cedeu 3,6% na mesma comparação, com média de R$ 63,86/sc de 60 kg em agosto. 

 

Trigo 

 

Os preços do trigo registraram fortes quedas em agosto, devido ao início da colheita e às perspectivas de uma boa safra 2017/18. Compradores permaneceram recuados, na expectativa de preços menores nas próximas semanas. Ao mesmo tempo, vendedores estiveram mais ativos, focados na comercialização do excedente da safra 2016/17. Além disso, conforme colaboradores do Cepea, a entrada de trigo importado tem suprido boa parte das necessidades dos moinhos, também pressionando os valores. 

 

Cepea – www.cepea.esalq.usp.br / Scot Consultoria 



Publicidade