Tecnologia e Manejo

11/10

Alertas de Mercado: Boi, Café, Leite, Milho, Soja e Trigo

Alertas de Mercado: Boi, Café, Leite, Milho, Soja e Trigo

 

Boi 

 

Com a oferta e a procura por boiadas equilibradas, as cotações ficaram estáveis na maior parte das praças pecuárias na última terça-feira (10/10).

 

Nas praças onde a cotação do boi gordo mudou de nível, mudou para baixo, não significando que negócios tenham sido fechados diante dessa oferta.

 

Semana com menos dias de trabalho é assim, com poucas compras as escalas são preenchidas, o que permite a oferta de preços menores.

 

Em São Paulo a cotação da arroba do boi gordo caiu. A referência no estado ficou em R$141,50/@, à vista, livre de Funrural, e as escalas, segundo apregoado pelos compradores, atendem a semana.

 

No mercado atacadista, a carne bovina com osso não reagiu ao pagamento dos salários e nem ao feriado desta quinta-feira. A cotação da carcaça de bovinos castrados está estável em R$9,25/kg.

 

Café 

 

As chuvas no início de outubro foram suficientes para estimular a abertura das flores nos cafezais de arábica na maior parte das regiões produtoras acompanhadas pelo Cepea. O evento era bastante aguardado pelo setor, uma vez que as primeiras flores, que abriram precocemente no final de agosto, foram afetadas pelo clima seco em setembro.

 

Quanto ao mercado físico, apesar da recuperação das cotações externas e internas no final da semana passada, a grande expectativa do setor com as floradas no Brasil nos últimos dias manteve agentes retraídos do mercado, e a liquidez interna segue baixa. Quanto ao robusta, produtores do Espírito Santo seguem animados com a próxima temporada, já que, segundo agentes consultados pelo Cepea, as chuvas do início de outubro foram benéficas para a variedade, auxiliando o pegamento das flores e o desenvolvimento dos “chumbinhos”.

 

Na Bahia e em Rondônia, as lavouras estão na fase de “chumbinho”, e o clima segue favorável para a produção. No mercado físico, vendedores seguem retraídos e as negociações estão em ritmo lento.

 

Leite 

 

As cotações dos produtos lácteos acompanhados pelo Cepea seguem em queda, refletindo o consumo enfraquecido. Apesar das oscilações observadas entre 2 e 6 de outubro, o preço do leite UHT recuou 1,1% frente à semana anterior, com média de R$1,96/litro no período.

 

Os valores da muçarela, por sua vez, caíram 0,6% na mesma comparação, para a média de R$13,98/kg. Para as próximas semanas, os colaboradores consultados pelo Cepea acreditam em reação dos preços e no aumento do volume negociado, já que, segundo eles, os estoques têm sido controlados e menos promoções têm sido anunciadas.

 

Milho 

 

A liquidez voltou a diminuir no mercado brasileiro de milho. Segundo pesquisadores do Cepea, perspectivas diferentes quanto aos preços para as próximas semanas e/ou meses ampliaram a diferença entre os valores nas regiões acompanhadas, dificultando os acordos entre compradores e vendedores.

 

O foco de agentes continua nas exportações e no cultivo da nova safra de verão de soja e de milho. Quanto aos preços, segundo colaboradores do Cepea, a oferta do cereal continua restrita, mas a retração de compradores domésticos vinha pressionando as cotações na região de Campinas (SP).

 

Na sexta-feira, 6, especificamente, compradores tiveram de aumentar o valor de suas ofertas devido à necessidade imediata de adquirir lotes, o que impulsionou o Indicador ESALQ/BM&FBovespa em 1,16% na região paulista frente à sexta anterior, 29, fechando a R$ 30,39/saca de 60 quilos no dia 6.

 

Soja 

 

Os valores da soja têm registrado quedas no mercado brasileiro, pressionados pelo dólar mais fraco frente ao Real e pelo avanço do semeio no Brasil. Entretanto, segundo pesquisadores do Cepea, os recuos têm sido limitados pela alta nos preços futuros nos Estados Unidos e pela firme demanda externa, que sustentam os prêmios domésticos.

 

O volume de soja embarcado em setembro, de 4,27 milhões de toneladas, foi recorde para o mês, assim como em agosto (Secex). Quanto aos derivados, os embarques recuaram de agosto para setembro, devido à concorrência com a Argentina, o principal exportador de farelo e óleo de soja. Com isso, parte das indústrias brasileiras interromperam as atividades para manutenção, reduzindo o excedente no mercado interno. 

 

Trigo 

 

As negociações estão praticamente paralisadas no mercado de trigo, apesar do período de safra. Segundo colaboradores do Cepea, produtores seguem retraídos, já que os preços recebidos pelo grão estão abaixo do mínimo estabelecido pelo governo, de R$ 38,65/saca de 60 kg para o Sul; R$ 42,53/sc para o Sudeste, e de R$ 44,26/sc para Centro-Oeste e Bahia.

 

Além disso, moinhos seguem cautelosos quanto a novas aquisições, devido à baixa qualidade do cereal colhido. Quanto aos preços, as oscilações do dólar frente ao Real em setembro fizeram com que demandantes nacionais ainda se voltassem às compras do trigo importado.

 

Nesse cenário, as cotações seguem em queda no mercado interno.

 

Fonte: Cepea – www.cepea.esalq.usp.br / Scot Consultoria 



Publicidade