Tecnologia e Manejo

04/12

Alertas de Mercado: Açúcar, Boi, Milho, Ovos, Reposição, Soja e Trigo

Alertas de Mercado: Açúcar, Boi, Milho, Ovos, Reposição, Soja e Trigo

 

Açúcar 

 

As chuvas em novembro atrasaram a produção nas usinas e, consequentemente, diminuíram a oferta do açúcar cristal no mercado spot, de acordo com pesquisadores do Cepea.

 

As unidades processadoras, por sua vez, deram preferência à entrega do produto já contratado.

 

Nesse cenário, a média do Indicador CEPEA/ESALQ do açúcar cristal (cor Icumsa de 130 a 180, mercado paulista) atingiu R$ 67,74/saca de 50 kg em novembro, a maior média da temporada 2018/19. 

 

Boi 

 

Mercado calmo, com poucos negócios na última segunda-feira (3/12), porém, a cotação da arroba do boi gordo subiu em sete praças pecuárias.

 

A pouca oferta de boiadas pressionou as cotações onde as indústrias não conseguiram alongar as escalas de abate na semana passada.

 

Este foi o caso das regiões Norte de Minas Gerais e de Belo Horizonte-MG. Nesta última, a alta foi de 0,3% e as escalas de abate atendem, em média, três dias, o que abriu espaço para negócios acima da referência.

 

Em Rondônia a valorização foi de R$1,00/@. A dificuldade em adquirir matéria-prima vem desde novembro. A arroba subiu 1,5% desde o início do último mês.

 

No mercado atacadista a maior demanda de início de mês pressionou positivamente as cotações da carne com osso. O boi casado de animais castrados ficou cotado em R$9,97/kg, alta de 0,5% na comparação diária.

 

Milho 

 

A necessidade de compradores de repor estoques e a posição retraída de vendedores seguem elevando as cotações de milho no mercado interno, principalmente nas regiões consumidoras acompanhadas pelo Cepea.

 

As preocupações com o frete e a expectativa de preço maior nas próximas semanas fazem com que produtores consultados pelo Cepea reduzam suas ofertas.

 

Por outro lado, o baixo ritmo de exportações e a expectativa de estoques confortáveis com a entrada da safra verão limitam maiores valorizações.

 

Em novembro, o Indicador ESALQ/BM&FBovespa (região de Campinas –SP) registrou alta de 10,6%, fechando a R$ 37,81/saca de 60 kg na sexta-feira, 30.

 

Especificamente entre 23 e 30 de novembro, o aumento foi de 1,3%. 

 

Ovos 

 

Com a oferta ainda elevada e a redução da procura, típica em final de mês, as cotações dos ovos comerciais caíram com força nos últimos dias em todas as regiões acompanhadas pelo Cepea.

 

De acordo com colaboradores do Cepea, nas últimas duas semanas, as especulações de preços têm ocorrido com maior frequência do que os negócios propriamente efetivados, o que dificulta a comercialização do produto, uma vez que a expectativa de compradores por preços mais baixos inibe as negociações imediatas. 

 

Reposição 

 

O volume de animais disponíveis para negociação está abaixo do que recriadores e invernistas estão demandando. Dessa forma, no mercado de reposição as cotações continuam as trajetórias de altas. 

 

No fechamento de novembro, na média de todas as categorias de machos e fêmeas anelorados e estados pesquisados pela Scot Consultoria, as cotações fecharam com alta de 0,8%. Maior valorização mensal desde agosto deste ano. 

O que chama atenção é que mesmo com a menor liquidez no mercado, em função do período de vacinação contra a Febre Aftosa e, consequentemente, menos dias de negociação, as cotações seguiram firmes superando as médias de outubro e setembro. 

 

Para o curto prazo a tendência é de manutenção dos bons volumes de negociações, mas é bom ficar de olho no mercado. 

 

A expectativa é de que o preço da arroba do boi gordo mantenha a firmeza no curtíssimo prazo, mas já a partir de meados de dezembro o ritmo de negociações deverá ser menor, cenário típico para o período de final do ano.

 

Quando o mercado retomar o ritmo normal, em janeiro, sazonalmente as cotações do boi gordo são mais frouxas e isso pode diminuir o ânimo dos recriadores e invernistas e a procura por negócios deverá ser menor.

 

Soja 

 

Mesmo com baixos estoques de soja, vendedores consultados pelo Cepea aproveitam os patamares atuais para negociar novos lotes no spot, especialmente para exportação.

 

Apesar de ser um período fora da janela de exportação da oleaginosa, o mercado foi demandado em novembro.

 

Na parcial de novembro (considerando-se os primeiros 15 dias úteis), as exportações de soja já são recordes se comparadas às do mesmo mês de anos anteriores, com o volume sendo 88% superior ao de novembro/17, segundo dados da Secex.

 

A média diária de embarques está 10,35% acima do observado em outubro/18, ainda de acordo com a Secretaria. 

 

Quanto ao Indicador ESALQ/BM&FBovespa da soja Paranaguá (PR), entre 23 e 30 de novembro, recuou 0,5%, a R$ 82,78/saca de 60 kg na sexta-feira, 30.

 

No mesmo comparativo, o Indicador CEPEA/ESALQ Paraná subiu leve 0,2%, a R$ 77,84/sc de 60 kg no dia 30.

 

Trigo 

 

Os negócios de trigo têm sido limitados pela disparidade entre as cotações pedidas por vendedores e as ofertas por compradores, segundo informações do Cepea.

 

Compradores têm reduzido o ritmo de comercialização, porque muitos devem entrar em férias coletivas nas próximas semanas.

 

Vendedores, por sua vez, baseados no possível aquecimento na demanda pelo cereal de boa qualidade, esperam que os valores se sustentem nos próximos meses.

 

Quanto aos preços, no acumulado de novembro (31 de outubro e 30 de novembro), de acordo com dados do Cepea, as cotações no balcão (valor pago ao produtor) subiram 4,4% no Paraná e 2,4% no Rio Grande do Sul. Já no mercado de lote (negociações entre empresas), os valores recuaram e com força.

 

No Rio Grande do Sul, a queda foi de 16,5%, em São Paulo, de 12,1%, em Santa Catarina, de 10,9% e de 1,7% no Paraná. 

 

Fonte: Cepea – www.cepea.esalq.usp.br e Scot Consultoria 



Publicidade