Tecnologia e Manejo

06/11

Alertas de Mercado: Açúcar, Boi, Citros, Leite, Milho, Ovos, Soja e Trigo

Alertas de Mercado: Açúcar, Boi, Citros, Leite, Milho, Ovos, Soja e Trigo

 

Açúcar

 

Os preços do açúcar cristal no mercado spot do estado de São Paulo apresentaram alta em outubro, seguindo o movimento iniciado em setembro. A média do Indicador CEPEA/ESALQ, cor Icumsa de 130 a 180, no mercado paulista, foi de R$ 64,37/saca de 50 kg no mês passado, a maior da temporada 2018/19 e 6,06% superior à de setembro, que foi de R$ 60,69/sc de 50 kg.

 

Conforme colaboradores do Cepea, as chuvas de outubro dificultaram a colheita nas lavouras de cana-de-açúcar em São Paulo, interrompendo a produção do cristal em diversas unidades de processamento.

 

Com isso, a oferta no mercado spot ficou restrita, tendo em conta que as usinas priorizaram o atendimento de contratos negociados anteriormente. Do lado comprador, a demanda por maiores quantidades do cristal foi pontual no correr do mês.

 

Boi 

 

A última segunda-feira (5/11) foi de calmaria no mercado do boi gordo. Foram registradas duas altas, três baixas e o restante das praças com estabilidade. 

 

Mas algumas indústrias com escalas de abate confortáveis aproveitaram o momento para testar o mercado, ofertando preços abaixo das referências em diversos estados.

 

Em Mato Grosso, por exemplo, as quedas na cotação da arroba aconteceram nas praças de Cuiabá e no Sudeste do estado. A melhor oferta associada ao consumo patinando, mesmo com o início do mês, possibilitaram ofertas de compra a preços mais baixos, fazendo com que a cotação da arroba do boi gordo caísse 0,4% frente a 1 de novembro.

 

Em São Paulo a cotação da arroba permaneceu estável na comparação dia a dia e os frigoríficos estão com programação média de abate de quatro dias.

 

O mercado atacadista de carne bovina com osso segue sem variações frente ao último levantamento, e o boi casado de animais castrados está cotado em R$9,49/kg.

 

Citros 

 

Com o recuo dos preços de lima ácida tahiti, em decorrência do maior volume de fruta miúda no mercado, produtores consultados pelo Cepea limitaram a colheita nos últimos dias.

 

Por outro lado, as vendas no mercado doméstico estão enfraquecidas, devido ao período de fim de mês e ao feriado de sexta-feira, 2 (Finados). Assim, o preço médio de comercialização da tahiti paulista de 29 de outubro a 1 de novembro é de R$ 65,01/cx de 27 kg, colhida, queda de 7,9% em relação ao da semana passada.

 

Quanto à laranja de mesa, apesar de a elevação gradual da oferta já ter interrompido o movimento de alta dos preços da pera, as negociações estão lentas nesta semana.

 

No mesmo período de comparação, a variedade registra média de R$ 32,41/cx de 40,8 kg, na árvore, praticamente estável (-0,7%) em relação à semana passada.

 

Leite 

 

Os preços dos derivados lácteos permaneceram em queda em outubro, pressionados pela elevada oferta da matéria-prima e pelo consumo enfraquecido. Entre 28 de outubro e 1º de novembro, o preço do leite UHT teve média de R$ 2,3312/litro, 3,47% menor que a da semana anterior.

 

O valor do queijo muçarela, por sua vez, recuou 1,73% na mesma comparação, para a média de R$ 17,9445/kg na última semana de outubro. Segundo colaboradores do Cepea, a previsão para os próximos dias ainda é de queda para os derivados.

 

Participe da pesquisa do leite UHT e do queijo muçarela no atacado de São Paulo e receba informações exclusivas. Envie um e-mail para leicepea@usp.br  ou ligue (19) 3429-8834. 

 

Milho 

 

Segundo levantamento do Cepea, a maior oferta de milho, as exportações em ritmo lento, produtores flexíveis nos valores de venda (sobretudo os do Centro-Oeste) e também o bom desenvolvimento da safra de verão 2018/19 (que gera expectativa de maior produção nos próximos meses) pressionaram com força as cotações do cereal no correr de outubro.

 

No acumulado desse mês, as quedas nos preços ultrapassaram os 10% em muitas regiões acompanhadas pelo Cepea. No geral, apenas os produtores consultados pelo Cepea mais capitalizados limitaram a oferta de milho, concentrando as atividades de semeio da soja.

 

Compradores, por sua vez, se mantêm retraídos, se mostrando abastecidos – as indústrias que têm necessidade de refazer estoques adquirem de forma cautelosa.  

 

Em outubro, o Indicador ESALQ/BM&FBovespa (região de Campinas – SP) caiu 13,3%, fechando em R$ 34,17/saca de 60 kg na quarta-feira, 31.

 

Especificamente entre 26 outubro e 1 de novembro, a queda do Indicador foi de 0,8%. 

 

Ovos 

 

A avicultura de postura está atravessando um dos momentos mais difíceis de sua história recente. Além dos altos preços dos insumos utilizados na formulação de ração, as cotações dos ovos comerciais têm recuado com força, registrando patamares não observados há mais de três anos.

 

Conforme relatos de colaboradores do Cepea, esse cenário está atrelado à maior luminosidade neste período do ano, que aumenta a produção, e às temperaturas mais elevadas, que diminuem a vida útil dos ovos, levando agentes do setor a negociar a proteína a preços mais baixos.

 

Na região de Bastos (SP), o preço médio do ovo vermelho tipo extra em outubro foi de R$ 64,53/caixa de 30 dúzias, 11% menor que o de setembro e 24% inferior ao de outubro/17.

 

Vale lembrar que o preço médio da caixa no mês passado foi o menor da série histórica do Cepea, iniciada em abril/13.

 

Considerando o ovo branco tipo extra, a média dos negócios na região de Bastos foi de R$ 59,78/cx em outubro, queda de 9% frente ao mês anterior e de 23% em relação a outubro/17.

 

Soja 

 

A forte oscilação cambial registrada no período eleitoral pressionou a paridade de exportação, reduzindo o ritmo de negócios externos envolvendo a soja em grão e também as vendas antecipadas da safra que está sendo semeada (2018/19).

 

Vale ressaltar, no entanto, que a comercialização da temporada 2018/19 já estava adiantada e o interesse de venda do produto remanescente da safra 2017/18 é baixo.

 

Compradores consultados pelo Cepea também não estão agressivos nas aquisições, visto que esperam por menores preços, fundamentados no clima favorável à cultura de soja nos Estados Unidos, no Brasil e na Argentina.

 

Entre 26 e 1 de novembro, o Indicador ESALQ/BM&FBovespa da soja Paranaguá (PR) recuou 2,1%, a R$ 85,79/saca de 60 kg na quinta-feira, 1.

 

No mesmo comparativo, o Indicador CEPEA/ESALQ Paraná caiu 1,5%, a R$ 79,88/sc de 60 kg no dia 1.

 

Trigo 

 

A colheita da nova safra de trigo avança no Brasil, mas a demanda pelo produto nacional está enfraquecida.

 

Segundo colaboradores do Cepea, com o maior volume disponível (doméstico e também importado), alguns compradores se mostram abastecidos por três meses, em média.

 

Outros demandantes indicam ter programação para receber o grão no início de 2019.

 

Assim, os compradores que estão ativos no mercado tentam diminuir os valores de aquisição.

 

Vendedores, por sua vez, se retraíram dos negócios, argumentando que os atuais patamares de preços não cobrem os custos variáveis da cultura.

 

Nesse cenário, a liquidez segue baixa e os preços, em queda. 

 

Fonte: Cepea – www.cepea.esalq.usp.br e Scot Consultoria 



Publicidade