Tecnologia e Manejo

29/08

Alertas de Mercado: Açúcar, Boi, Citros, Frango, Milho, Soja e Trigo

Alertas de Mercado: Açúcar, Boi, Citros, Frango, Milho, Soja e Trigo

 

Açúcar 

 

A diferença entre os preços do açúcar cristal para exportação e no mercado spot de São Paulo diminuiu nos últimos dias, refletindo o contínuo movimento de baixa no mercado doméstico e as altas do demerara na Bolsa de Nova York (ICE Futures). Mesmo assim, o spot paulista continua remunerando mais que as exportações.

 

Em São Paulo, os valores do açúcar cristal voltaram para a casa dos R$ 52,00/sc, patamar que não era observado desde julho de 2015, em termos reais (IGP-DI- base julho/17). Conforme pesquisadores do Cepea, a boa evolução da safra nos últimos meses tem mantido elevada a oferta de açúcar, reduzindo os preços. De 21 a 28 de agosto, o Indicador CEPEA/ESALQ (estado de São Paulo), cor Icumsa entre 130 e 180, registrou queda de 0,7%, fechando a R$ 52,92/saca de 50 kg nessa segunda-feira, 28.

 

Boi

 

De maneira geral, a baixa oferta de animais terminados vem sendo o principal fator que colabora para firmeza nos preços no mercado do boi gordo.

 

Das trinta e duas praças pesquisadas pela Scot Consultoria, ocorreram altas em nove delas na última segunda-feira (28/8).

 

Em São Paulo, a semana começou com mercado firme e pagamentos acima da referência são comuns. Na região, a arroba do macho terminado fechou em alta, cotada em R$139,50, à vista, livre de Funrural. Em relação ao início do mês os preços estão 12,5% maiores.

 

Altas acima de 10,0% para a arroba do boi gordo, desde o início de agosto, também são comuns em Goiás, Mato Grosso do Sul e Rondônia.

 

No mercado atacadista de carne bovina com osso, o boi casado de animais castrados ficou cotado em R$9,05/kg, estabilidade frente ao último fechamento.

 

Citros

 

A comercialização da laranja pera de mesa diminuiu ainda mais em São Paulo nos últimos dias, tanto em decorrência do clima mais frio quanto da aproximação do final do mês, quando as vendas costumam recuar. Na parcial desta semana (de segunda a quinta-feira), a pera registrou média de R$ 16,42/cx de 40,8 kg, na árvore, baixa de 3,2% frente à da semana anterior.

 

No caso da lima ácida tahiti, os preços foram sustentados pela interrupção da colheita durante o período chuvoso e pela consequente redução da disponibilidade. A absorção dos mercados interno e externo, por outro lado, segue baixa, conforme colaboradores do Cepea. Na parcial desta semana, a média de comercialização da tahiti foi de R$ 39,08/cx de 27 kg, colhida, leve alta de 0,5% em relação à semana passada.

 

Frango

 

As vendas continuam enfraquecidas.

 

Nas granjas paulistas, apesar do mercado continuar andando de lado, com as cotações estáveis em R$2,50/kg, já existe situações com pagamentos abaixo da referência.

 

No mercado atacadista, os preços cederam novamente na última semana. A carcaça de frango está sendo negociada, em média, em R$3,13/kg, queda de 7,9% em sete dias.

 

Com a estabilidade na granja e a redução de preços no atacado a margem da indústria diminuiu.

 

Com relação à exportação, os embarques brasileiros de carne in natura estão em bom ritmo em agosto. Até a terceira semana do mês, a média diária embarcada aumentou 13,3% em relação a igual período do ano passado.

 

Milho

 

Os preços do milho têm apresentado comportamentos divergentes entre as regiões acompanhadas pelo Cepea. O avanço da colheita em São Paulo elevou a oferta e pressionou as cotações nas praças paulistas, enquanto que o recuo de vendedores tem sustentado os preços em Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e no Paraná. Em Campinas (SP), o Indicador ESALQ/BM&FBovespa fechou a R$ 26,94/saca de 60 quilos na sexta-feira, 25, expressiva queda de 3,6% frente ao dia 18.

 

Soja 

 

Os preços da soja estão em alta, tanto no mercado doméstico quanto no internacional. Segundo pesquisadores do Cepea, esse cenário está atrelado às valorizações do óleo de soja na Bolsa de Chicago, que, por sua vez, refletem a possibilidade da imposição de tarifas de importação por parte dos Estados Unidos sobre o biodiesel da Argentina e da Indonésia, o que poderia favorecer a produção de biodiesel dentro dos EUA e, consequentemente, elevar a demanda por óleo de soja. Mesmo assim, segundo colaboradores do Cepea, a receita obtida pelas indústrias nacionais com o esmagamento da oleaginosa continuam apertadas (ou até mesmo negativas).

 

Entre 18 e 25 de agosto, o Indicador da soja ESALQ/BM&FBovespa Paranaguá permaneceu praticamente estável (+0,04%), a R$ 69,51/sc de 60 kg na sexta-feira, 25. O Indicador CEPEA/ESALQ Paraná também permaneceu estável no período, fechando a R$ 63,72/sc de 60 kg na sexta. Quanto ao óleo de soja, os valores avançaram 1,9% na média das regiões acompanhadas pelo Cepea, a R$ 2.672,91/tonelada (posto na cidade de São Paulo com 12% de ICMS) no dia 25.

 

Trigo 

 

O movimento de alta observado para os preços dos derivados de trigo foi interrompido nos últimos dias, refletindo as expressivas desvalorizações do grão. Segundo colaboradores do Cepea, compradores estão recuados e produtores do cereal vêm ofertando um maior volume da safra 2016/17, com o objetivo de reduzir estoques para o recebimento da nova safra, cuja colheita já começou.

 

Nesse cenário, compradores estão retraídos também do mercado de farinha, sem interesse em adquirir novos lotes a curto prazo e à espera de preços menores nos próximos meses. Já quanto ao farelo, o comportamento dos preços tem sido distinto, visto que a demanda está mais aquecida em algumas praças, mas o ritmo de negócios está lento em outras. 

 

Cepea – www.cepea.esalq.usp.br / Scot Consultoria 



Publicidade