Tecnologia e Manejo

27/07

27/07 Alertas de Mercado: Algodão, Arroz, Boi, Café, Suínos

27/07 Alertas de Mercado: Algodão, Arroz, Boi, Café, Suínos

 

Algodão

 

Boa parte das negociações no mercado de algodão em pluma segue limitada a pequenos volumes. Apesar de vendedores estarem mais flexíveis quanto aos preço, compradores têm pouco interesse no mercado spot, ofertando valores inferiores aos pedidos. Além disso, conforme pesquisadores do Cepea, indústrias ativas se queixam da qualidade da pluma disponível, principalmente quanto às especificações do micronaire. Entre 18 e 25 de julho, o Indicador CEPEA/ESALQ com pagamento em 8 dias registrou queda de 2,92%, fechando a R$ 2,4549/lp nessa terça-feira, 25.

 

Arroz

 

O ritmo de negócios está enfraquecido no mercado de arroz em casca do Rio Grande do Sul. Segundo pesquisadores do Cepea, alguns orizicultores conseguiram prorrogar as parcelas de custeio da safra 2016/17, enquanto outros, já capitalizados com a venda de outras commodities, permanecem recuados. Do lado comprador, boa parte das indústrias tem adquirido arroz depositado. No entanto, algumas beneficiadoras reduziram os valores ofertados para a saca do casca, devido à rigidez das negociações de arroz beneficiado para os grandes centros consumidores, o que trouxe lentidão ao mercado spot. Nesse cenário, de 18 a 25 de julho, o Indicador ESALQ/SENAR-RS, 58% grãos inteiros recuou 0,19%, fechando a R$ 40,03/sc de 50 kg no dia 25.

 

Boi

 

Os valores de comercialização reportados por colaboradores do Cepea continuam oscilando, reflexo da entrada e saída de operadores do mercado conforme a urgência em negociar. Nesse cenário, a liquidez registrou leve melhora. De 19 a 26 de julho, o Indicador ESALQ/BM&FBovespa do boi gordo subiu 0,35%, fechando a R$ 125,66 nessa quarta-feira, 26. Na parcial do mês (até o dia 26), no entanto, o Indicador registra queda de 0,71%.

 

Café

 

Apesar dos avanços da colheita de café arábica em todas as regiões brasileiras, a retração de compradores e de vendedores mantém o ritmo de negócios bastante lento. Segundo agentes consultados pelo Cepea, o clima mais frio tem atrasado o beneficiamento dos grãos, principalmente a secagem, limitando a oferta no mercado físico. Além disso, muitos produtores estão concentrados nas entregas futuras, em detrimento das negociações no spot, cenário que também tem travado as negociações do arábica.

 

Quanto ao robusta, apesar de a colheita ter se encerrado no Espírito Santo e em Rondônia, a disponibilidade da variedade no mercado também é limitada. Segundo colaboradores do Cepea, muitos produtores esperam valorizações mais expressivas do grão para comercializar, limitando-se a negociar apenas quando há necessidade de caixa. Com a retração vendedora e a demanda enfraquecida, os preços da variedade têm oscilado pouco.

 

Suínos

 

A menor oferta de animais e a alta dos valores pagos ao produtor têm levado frigoríficos a aumentar os valores da carne, principalmente das carcaças. A liquidez, porém, está baixa, devido ao período de final de mês e às desvalorizações das concorrentes, bovina e de frango. Entre 19 e 26 de julho, o preço da carcaça comum subiu 4,8% no atacado da Grande São Paulo, para R$ 5,90/kg no dia 26.

 

A carcaça especial se valorizou 7,4% no mesmo período, com média de R$ 6,26/kg nessa quarta. Os valores pagos ao produtor também registraram altas expressivas entre 19 e 26 de julho. Na região de SP-5 (Bragança Paulista, Campinas, Piracicaba, São Paulo e Sorocaba), o aumento foi de 4,6%, com o quilo do animal sendo negociado na média de R$ 4,03 nessa quarta. 

 

Fonte: Cepea – www.cepea.esalq.usp.br / Scot Consultoria 



Publicidade