Tecnologia e Manejo

26/09

26/09 - Alertas de Mercado: Açúcar, Boi, Leite, Milho, Soja e Trigo

26/09 - Alertas de Mercado: Açúcar, Boi, Leite, Milho, Soja e Trigo

 

Açúcar 

 

Os preços do açúcar cristal negociado no mercado spot paulista permanecem na casa dos R$ 52,00 por saca de 50 kg desde o início deste mês, sustentados pela postura firme das usinas, que não reduzem os valores pedidos.

 

De modo geral, segundo colaboradores do Cepea, a oferta tem aumentado, acelerando o ritmo de negociações no spot paulista desde julho. Apesar do cenário de estabilidade, a média do Indicador CEPEA/ESALQ do açúcar cristal, cor Icumsa entre 130 e 180, entre 18 e 22 de setembro, de R$ 52,57/saca de 50 kg, está nos mesmos baixos patamares registrados em julho de 2015 – valores deflacionados pelo IGP-DI base agosto/17.

 

Boi

 

Mesmo ontem sendo uma segunda-feira (25/9), dia típico de baixa movimentação, já se observou no mercado indústrias ofertando preços maiores pela matéria-prima.

 

Com isso, das trinta e duas praças pesquisadas pela Scot Consultoria, houve alta em cinco, considerando o preço a prazo. A exceção ficou por conta do Rio Grande do Sul onde a oferta de boiadas é maior.

 

Em São Paulo, parte dos frigoríficos iniciou o dia fora das compras, aguardando uma melhor leitura de como o mercado irá se comportar.

 

No estado, vale ressaltar que as programações das indústrias giram em torno de quatro a cinco dias, o que limita às empresas a seguirem com a estratégia de pressão de baixa mais intensa.

 

De maneira geral, mesmo com a demanda patinando a oferta de animais terminados é baixa, o que pode mudar o comportamento dos preços, principalmente com o início do mês se aproximando, época em que sazonalmente há uma melhora por parte da demanda.

 

Leite

 

Os preços do leite UHT e do queijo muçarela permanecem em queda no mercado atacadista do estado de São Paulo, refletindo o consumo enfraquecido desses produtos. Entre 18 e 22 de setembro, as cotações do leite UHT caíram expressivos 2,8%, fechando a semana com média de R$ 2,02/litro.

 

No caso do queijo muçarela, o recuo foi menor, de 0,8%, e a média da semana foi de R$ 14,22/kg. Segundo colaboradores do Cepea, os atuais patamares de preços têm afetado as margens da indústria e um aumento nos estoques já pode ser observado, visto que o volume captado de leite vem aumentando desde junho deste ano. Nesse cenário, a expectativa para a próxima semana é de novas desvalorizações.

 

Milho 

 

O Indicador ESALQ/BM&FBovespa subiu expressivos 6,2% entre 15 e 22 de setembro, fechando a R$ 30,64/saca de 60 quilos na sexta-feira, o maior preço desde 27 de março deste ano. Segundo colaboradores do Cepea, esse cenário está atrelado ao clima quente e seco em todo o País, que tem atrasado o início dos trabalhos de campo da safra 2017/18, preocupando agentes quanto a uma possível menor oferta da temporada de verão e afastando produtores do mercado.

 

Além disso, agentes consultados pelo Cepea acreditam que o clima também pode interferir na segunda safra, devido à semeadura tardia na região Centro-Oeste. As exportações elevadas, por sua vez, também mantêm produtores retraídos.

 

Soja 

 

As negociações no mercado de soja têm sido pontuais neste final de mês, tanto no mercado spot quanto para contratos a termo. Segundo pesquisadores do Cepea, além de os preços domésticos da oleaginosa estarem inferiores à paridade de exportação nos portos, incertezas quanto ao clima e a cautela de produtores em comercializar grandes lotes têm mantido baixa a liquidez no mercado.

 

Sojicultores também estão atentos à relação receita/custo na temporada 2017/18. Embora as desvalorizações de fertilizantes e defensivos tenham pressionado ligeiramente os custos de produção nesta safra, a receita na parcial de setembro está nos menores patamares desde 2010, em termos reais.

 

Trigo 

 

Os preços do trigo em grão estão em queda no mercado interno, refletindo o avanço da colheita e a demanda enfraquecida, já que as cotações do produto importado estão mais competitivas que os valores do produto nacional. Mesmo assim, os preços dos derivados seguem firmes. Segundo pesquisadores do Cepea, as recentes valorizações do milho elevaram a demanda por farelo de trigo, o que reduziu a oferta do derivado e impulsionou as cotações.

 

Além disso, as condições ruins das pastagens, devido à falta de chuvas, têm aumentado a procura por farelo para a produção de ração. No mercado de farinhas, moinhos não aumentaram o processamento, apesar das desvalorizações do grão, controlando a oferta do derivado no mercado. Nesse cenário, as cotações da maioria das farinhas (para massa em geral, bolacha doce, massas frescas, bolacha salgada, pré-mistura e integral) subiram ou mantiveram-se estáveis nos últimos dias. 

 

Fonte: Cepea – www.cepea.esalq.usp.br /  Scot Consultoria 



Publicidade