Tecnologia e Manejo

18/04

18/04 Alertas de Mercado: Açúcar, Boi, Citros, Milho, Soja e Trigo

18/04 Alertas de Mercado: Açúcar, Boi, Citros, Milho, Soja e Trigo

 

Açúcar 

 

O ritmo de negócios está lento no mercado paulista de açúcar, por conta da demanda enfraquecida. No entanto, os preços do cristal tiveram ligeira alta nos últimos dias. Segundo pesquisadores do Cepea, ainda que a moagem da cana-de-açúcar da temporada 2017/18 já tenha começado, a oferta do produto de melhor qualidade – tipo Icumsa 150 – é pequena, o que tem sustentado as cotações da commodity.

 

Esse cenário é comum no início da safra, uma vez que as usinas passam por ajustes na produção. No balanço entre 10 e 17 de abril, o Indicador CEPEA/ESALQ do açúcar cristal, cor Icumsa entre 130 e 180, permaneceu praticamente estável (leve recuo de 0,1%), fechando a segunda-feira, 17, a R$ 73,59/saca de 50 kg.

 

Boi 

 

Apesar de poucas movimentações, na abertura desta segunda-feira o cenário do mercado do boi gordo é de firmeza nas referências. 

 

Em linhas gerais, a retenção de boiadas por parte dos pecuaristas causa diminuição na oferta de animais e encurtamento de escalas na maioria das praças pesquisadas pela Scot Consultoria. 

 

Com esta dificuldade de aquisição de boiadas, as referências ganham fôlego e já ocorrem pagamentos acima da referência em alguns casos. 

 

Em São Paulo a arroba do boi gordo subiu e está cotada em R$ 137,00, à vista, livre de Funrural. 

 

A baixa oferta de boiadas também surtiu impacto no mercado atacadista de carne bovina com osso. 

 

A referência para o boi casado de animais castrados está posicionada em R$ 9,96/kg, alta de 3,5% em relação ao fechamento da semana passada.

 

Citros 

 

Os preços das variedades de laranja in natura acompanhadas pelo Cepea seguiram pressionados no mercado paulista na última semana, tanto pela baixa qualidade das frutas disponíveis quanto pela maior oferta. Entre 10 e 13 de abril, a pera registrou média de R$ 31,55/caixa de 40,8 kg, na árvore, queda de 8,3% em relação à anterior.

 

Segundo levantamentos do Cepea, a comercialização ficou praticamente estável no período. Alguns colaboradores afirmam que houve leve aumento da procura entre segunda e terça-feira (fundamentados no período de pagamento dos salários e no clima mais quente), mas a proximidade do feriado de Sexta-Feira Santa, 14, limitou as vendas.

 

Milho 

 

Os preços internos do milho tiveram novas quedas na última semana, mas menos intensas que as registradas nos períodos anteriores. Segundo pesquisadores do Cepea, a pressão continua vindo do avanço das atividades de campo da safra 2016/17, que reforça, dia após dia, a expectativa de oferta recorde nesta temporada.

 

Por outro lado, a retração vendedora interrompeu o movimento de queda na quarta e na quinta, especificamente. Entre 6 e 13 de abril, a baixa acumulada foi de 1,2% no mercado de balcão (preço pago ao produtor) e de 2,9% no de lotes (negociação entre empresas), contra respectivos recuos de 1,6% e 3,3% na semana anterior, na média das praças acompanhadas pelo Cepea.

 

Na região de Campinas (SP), o Indicador ESALQ/BM&FBovespa fechou a R$ 27,80/sc nessa quinta-feira, 13, baixa de 1,5% em relação à quinta anterior, ainda refletindo principalmente a pressão compradora. 

 

Soja 

 

Os preços internos da soja em grão, em queda desde dezembro/16, reagiram nos últimos dias, puxados especialmente pela maior demanda para exportação. Segundo pesquisadores do Cepea, os valores também foram impulsionados pela retração de produtores, que reduziram o volume ofertado após os preços domésticos terem voltado aos menores patamares em cinco anos.

 

Outros fatores de sustentação foram as chuvas na Argentina, que criaram a expectativa de menor produção naquele país, e as pequenas altas nos preços na Bolsa de Chicago, que elevam a paridade de exportação.

 

Entre 6 e 13 de abril, o Indicador CEPEA/ESALQ Paraná subiu 2,8%, fechando a R$ 61,34/sc de 60 kg nessa quinta-feira. Considerando-se o Indicador Paranaguá ESALQ/BM&FBovespa, o fechamento da quinta, de R$ 66,24/sc, superou em 3% o da quinta anterior.

 

Trigo 

 

A maior demanda por parte de moinhos tem elevado os preços do trigo nos mercados de lotes (negociações entre empresas) do Paraná e de São Paulo. Já nos demais estados acompanhados pelo Cepea, a pressão sobre as cotações continua, tanto no de lotes quanto no balcão (valor pago ao produtor).

 

De acordo com pesquisadores do Cepea, os preços costumam subir neste período de entressafra, visando atrair produtores para cultivar o cereal. No entanto, os elevados volumes importados e a safra recorde de 2016 seguem sendo fatores preponderantes na movimentação de baixa dos valores internos do trigo.

 

Entre 10 e 17 de abril, o preço médio do trigo CEPEA/ESALQ – Paraná subiu 0,7%, a R$ 605,48/t nesta segunda-feira, 17. 

 

Fonte: Cepea – www.cepea.esalq.usp.br / Scot Consultoria 



Publicidade