Tecnologia e Manejo

07/02

07/02 Alertas de Mercado: Algodão, Arroz, Boi, Café e Suínos

07/02 Alertas de Mercado: Algodão, Arroz, Boi, Café e Suínos

 

Algodão 

 

A lenta movimentação registrada em janeiro no mercado da pluma continua sendo observada neste início de fevereiro, segundo pesquisadores do Cepea. Indústrias têm ofertado valores inferiores para novas aquisições e, em sua maioria, buscam por lotes de pequenos volumes e com boas características.

 

Do lado vendedor, agentes que têm algodão com as especificações desejadas estão firmes nos preços pedidos.

 

Entretanto, boa parte da pluma disponibilizada apresentava características de cor, micronaire e fibra.

 

Neste cenário de acirrada “queda de braço”, entre 28 de dezembro de 2018 e 31 de janeiro de 2019, o Indicador do algodão em pluma CEPEA/ESALQ, com pagamento em 8 dias, registrou queda de 4,03%, fechando a R$ 2,9422/lp no dia 31.

 

Nos últimos sete dias, os preços estiveram praticamente estáveis, fechando a R$ 2,9400/lp nessa terça-feira, 5.

 

Arroz

 

O primeiro mês do ano fechou com elevação nos preços do arroz em casca, segundo indicam dados do Cepea.

 

O Indicador ESALQ/SENAR-RS, 58% grãos inteiros, acumulou alta de 1,5%, fechando a R$ 40,77/sc de 50 kg no dia 31 - especificamente de 29 de janeiro a 5 de fevereiro, porém, houve recuo de 0,57%, fechando a R$ 40,4/sc.

 

No geral, indústrias demonstraram interesse por novas aquisições, especialmente na segunda quinzena de janeiro, considerando também empresas compradoras das regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste.

 

Do lado vendedor, boa parte dos produtores ainda com arroz da safra 2017/18 esteve retraída, na expectativa de preços mais elevados. 

 

Boi

 

Os embarques de carne bovina in natura registraram boa performance no primeiro mês do ano, cenário que colaborou para a sustentação dos valores da arroba no mercado brasileiro, de acordo com pesquisadores do Cepea.

 

Em janeiro deste ano, o volume total de carne embarcada foi de 102,4 mil toneladas, elevação de 2,9% na comparação com o mesmo mês de 2018, segundo informações da Secex.

 

A receita, porém, recuou no mesmo período, 9,84% (Secex).

 

No mercado interno, dados do Cepea indicam que, no acumulado de janeiro, o Indicador ESALQ/BM&FBovespa do boi gordo recuou apenas 0,07%, fechando a R$ 153,30 no dia 31. 

 

Café

 

Produtores de muitas regiões cafeeiras brasileiras estão receosos quanto ao clima quente e seco registrado nas últimas semanas, de acordo com informações do Cepea. Se esse cenário persistir, a temporada 2019/20 de café pode ter impactos expressivos.

 

Até agora, a granação dos cafezais em produção e as mudas novas já implantadas no campo têm sido as mais afetadas pelo veranico, segundo agentes consultados pelo Cepea.

 

No mercado brasileiro, a liquidez segue baixa, devido às oscilações do mercado externo.

 

Nessa terça-feira, 5, o Indicador CEPEA/ESALQ do arábica tipo 6 bebida dura para melhor, posto em São Paulo, fechou a R$ 418,51/saca de 60 kg, elevação de 1,9% em relação à terça anterior, 29 de janeiro. 

 

Suínos 

 

O baixo consumo doméstico e o recuo das exportações de carne suína em janeiro, tipicamente observados neste período do ano, influenciaram as quedas nos preços do animal vivo e da carne nas regiões acompanhadas pelo Cepea.

 

De acordo com informações da Secex, o total de carne embarcado pelo Brasil no primeiro mês de 2019 recuou fortes 15% na comparação com dezembro, totalizando 46,7 mil toneladas.

 

No mercado interno, o suíno vivo foi negociado a R$ 3,86/kg na região SP-5 (Bragança Paulista, Campinas, Piracicaba, São Paulo e Sorocaba) em janeiro, valor 2,3% inferior ao de dezembro.

 

Quanto às carnes, negociadas no atacado da Grande São Paulo, as desvalorizações foram ainda maiores.

 

A carcaça especial suína teve preço médio de R$ 6,06/kg e a comum, de R$ 5,75/kg, com respectivas quedas de 4,4% e 2,5% em relação a dezembro. 

 

Fonte: Cepea – www.cepea.esalq.usp.br



Publicidade