Tecnologia e Manejo

09/11

Estado de São Paulo vai adotar o sistema de mitigação de risco para combate ao cancro cítrico

Estado de São Paulo vai adotar o sistema de mitigação de risco para combate ao cancro cítrico

 

O Estado de São Paulo, maior região produtora de laranja do mundo, vai adotar o sistema de mitigação de riscopara combate ao cancro cítrico, uma das principais doenças da citricultura. A medida consiste em uma série de ações de manejo nos pomares para controlar o cancro e é uma das alternativas previstas de combate à praga previstas na Instrução Normativa (IN) 37, do Ministério da Agricultura, que entra em vigor em março de 2017.

 

O sistema de mitigação de risco será adotado após São Paulo perder o controle da doença, cuja incidência atingiu 9,3% dos pomares de acordo com estimativa dos setores produtivo e científico. O porcentual pode até ser superior, já que os levantamentos deixaram de ser feitos após o governo paulista afrouxar, no passado recente, as regras de combate ao cancro no Estado.

 

"A Instrução Normativa inova por dar flexibilidade para que os Estados possam reconhecer situações distintas da doença", disse Arnaldo Jardim, secretário de Agricultura de São Paulo. Além de área com a mitigação de risco, a IN 37 prevê três outras: área com ausência da praga, área livre da praga e área com erradicação necessária para o controle da doença. "A responsabilidade de cuidar é do produtor e mitigar os riscos do cancro se faz pelo controle de equipamentos, como adoção de quebra ventos, barreiras físicas que impedem a chegada da doença. A ação do Estado é orientadora e pedagógica", disse Jardim. "Convivência com cancro não é tolerância, é você reconhecer que há situação e estabelecer normas para isso", acrescentou ele, que participou, em Cordeirópolis (SP), de um seminário sobre o tema.

 

Globo Rural 



Publicidade