Tecnologia e Manejo

24/04

Balança Comercial dos Agronegócios Paulista e Brasileiro do Primeiro Trimestre de 2018

Balança Comercial dos Agronegócios Paulista e Brasileiro do Primeiro Trimestre de 2018

 

1 - BALANÇA COMERCIAL DO ESTADO DE SÃO PAULO

No primeiro trimestre de 2018, as exportações do Estado de São Paulo1 somaram US$12,57 bilhões (23,1% do total nacional) e as importações2, US$14,61 bilhões (36,1% do total nacional), registrando um deficit de US$2,04 bilhões. Em relação ao primeiro trimestre de 2017, o valor das exportações paulistas cresceu 12,8% e o das importações 14,0%, aumentando o deficit comercial (21,4%) (Figura 1). O incremento nas exportações paulistas (+12,8%), comparando-se os primeiros três meses de 2018 e 2017, foi maior do que o das exportações brasileiras (+7,8%); também nas importações, o crescimento em São Paulo (+14,0%) foi maior do que no Brasil (+12,1%). Assim, na conjunção dos desempenhos das exportações e importações, o deficit da balança comercial paulista aumentou 21,4%, enquanto o superavit da balança comercial brasileira recuou 3,1%.

O agronegócio3 paulista apresentou queda nas exportações (-3,1%), registrando US$4,06 bilhões; enquanto as importações subiram (+1,5%), somando US$1,32 bilhão, reduzindo em 5,2% o saldo comercial em relação ao primeiro trimestre de 2017, atingindo US$2,74 bilhões (Figura 2). Essa redução do saldo comercial decorre da menor exportação do grupo complexo sucroalcooleiro, principal item da pauta do agronegócio paulista, que no período analisado registrou quedas de 12,7% no volume e de 31,0% em valores.

Há que se destacar que as importações paulistas nos demais setores - exclusive o agronegócio - somaram US$13,29 bilhões, e as exportações US$8,51 bilhões, gerando um deficit externo desse agregado de US$4,78 bilhões. Assim, conclui-se que o deficit do comércio exterior paulista só não foi maior devido ao desempenho do agronegócio estadual, cujo saldo manteve-se positivo (US$2,74 bilhões).

Os cinco principais grupos nas exportações do agronegócio paulista em 2018 foram: complexo sucroalcooleiro (US$1,31 bilhão, em que o açúcar representou 88% e o álcool 12%), carnes (US$551,65 milhões, em que a carne bovina respondeu por 81,5%), sucos (US$515,98 milhões, dos quais 97,5% referentes a sucos de laranja), produtos florestais (US$463,04 milhões) e complexo soja (US$336,28 milhões). Esses cinco agregados representaram 78,1% das vendas externas setoriais paulistas (Tabela 1).

 

 

 

 

Na comparação do primeiro trimestre de 2018 com o de 2017, tiveram crescimento as exportações paulistas de: animais vivos (+151,5%); chá, mate e especiarias (+138,0%); pescados (+75,0%); cereais, farinhas e preparações (+50,6%); demais produtos de origem vegetal (+39,7%); sucos (+39,1%); complexo soja (+34,6%); produtos oleaginosos (+33,7%); frutas (+32,5%); produtos alimentícios diversos (+32,5%); carnes (+29,1%); produtos florestais (+16,8%); e produtos apícolas (+4,2%). Houve redução nas demais, ou seja: lácteos 
(-52,3%); complexo sucroalcooleiro (-31,0%); café (-29,3%); rações para animais (-25,3%); couros, produtos de couro e peleteria (-23,3%); bebidas (-23,3%); cacau e seus produtos 
(-20,0%); produtos hortícolas, leguminosas, raízes e tubérculos (-14,9%); plantas vivas e produtos de floricultura (-13,5%); fibras e produtos têxteis (-9,2%); e demais produtos de origem animal (-9,0%) (Tabela 1). O grupo de fumo e seus produtos registrou variação expressiva de 2.900%, porém, é um item com pequena participação (0,01%) na pauta de exportação do Estado de São Paulo.

A participação das exportações do agronegócio paulista no total do Estado diminuiu 5,3 pontos percentuais, enquanto a participação das importações caiu 1,1 ponto percentual, na comparação do primeiro trimestre de 2018 com o de 2017 (Figura 3).

                                         

2 - BALANÇA COMERCIAL DO BRASIL

A balança comercial brasileira registrou superavit de US$13,95 bilhões no primeiro trimestre de 2018, com exportações de US$54,37 bilhões e importações de US$40,42 bilhões. O menor superavit comercial (-3,1%) resultou do aumento nas exportações (+7,8%), inferior ao das importações (+12,1%) (Figura 4).

No primeiro trimestre de 2018, as exportações do agronegócio brasileiro aumentaram 4,6% em relação ao mesmo período do ano anterior, atingindo US$21,47 bilhões (39,5% do total). Já as importações do setor caíram 4,0%, também na comparação com o primeiro trimestre de 2017, somando US$3,61 bilhões (8,9% do total). O superavitdo agronegócio no período em 2018 foi de US$17,86 bilhões, sendo 6,6% superior ao primeiro trimestre do ano passado (Figura 5).

 

Portanto, o comércio exterior brasileiro só não foi deficitário devido ao desempenho do agronegócio, uma vez que os demais setores, com exportações de US$32,90 bilhões e importações de US$36,81 bilhões, produziram no primeiro trimestre de 2018 um deficit de US$3,91 bilhões.

Os cinco principais grupos do agronegócio brasileiro nas exportações do primeiro trimestre de 2018 foram: complexo soja (US$6,73 bilhões); carnes (US$3,63 bilhões); produtos florestais (US$3,49 bilhões); complexo sucroalcooleiro (US$1,81 bilhão); e café (US$1,26 bilhão). Esses cinco agregados responderam por 78,9% das vendas externas do agronegócio nacional (Tabela 2).

Na comparação com o primeiro trimestre de 2017, aumentaram as exportações de: animais vivos (+128,3%); fumo e seus produtos (+90,0%); cereais, farinhas e preparações (+76,6%); fibras e produtos têxteis (+72,3%); produtos hortícolas, leguminosas, raízes e tu-

 

 

bérculos (+48,4%); sucos (+37,1%); produtos florestais (+35,2%); demais produtos de origem vegetal (+27,2%); produtos oleaginosos (+25,6%); produtos alimentícios diversos (+25,4%); frutas (+21,5%); demais produtos de origem animal (+11,4%); e complexo soja (+0,1%). Diminuíram as exportações de: lácteos (-54,1%); plantas vivas e produtos de floricultura (-36,7%); complexo sucroalcooleiro (-31,2%); pescados (-30,1%); couros, produtos de couro e peleteria (-16,3%); cacau e seus produtos (-14,7%); produtos apícolas (-12,5%); café (-12,0%); chá, mate e especiarias (-11,5%); bebidas (-2,9%); rações para animais 
(-2,8%); e carnes (-1,4%) (Tabela 2).

A participação do agronegócio nos totais do país diminuiu em termos das exportações (-1,2 ponto percentual) e diminuiu com relação às importações (-1,5 ponto percentual) (Figura 6).

 

 

3 - DESEMPENHO DO ESTADO DE SÃO PAULO NO BRASIL

A participação paulista no total da balança comercial brasileira apresentou aumento nas exportações (+1,0 ponto percentual) e nas importações (+0,5 ponto percentual) (Figura 7).

 

Em relação ao agronegócio brasileiro, as exportações setoriais de São Paulo 
no primeiro trimestre de 2018 representaram 18,9%, ou seja, 1,5 ponto percentual inferior ao primeiro trimestre de 2017, enquanto as importações representaram 36,6%, sen-
do 2,0 pontos percentuais superior ao verificado no mesmo período do ano passado 
(Figura 8).

A participação do agronegócio paulista no agronegócio nacional no primeiro trimestre de 2018 destacou-se nos grupos: sucos (87,7%); produtos alimentícios diversos (77,3%); complexo sucroalcooleiro (72,2%); demais produtos de origem vegetal (64,7%); plantas vivas e produtos de floricultura (53,9%); lácteos (46,7%); animais vivos (39,2%); produtos oleaginosos (38,8%); produtos apícolas (35,7%); demais produtos de origem animal (34,7%); rações para animais (33,8%); e bebidas (29,4%) (Tabela 3).

Em relação ao primeiro trimestre do ano anterior, sobressaíram-se os aumentos 
nas participações de São Paulo nos grupos: plantas vivas e produtos de floricultura (+14,5 pontos percentuais); demais produtos de origem vegetal (+5,8 pontos percentuais); 
produtos apícolas (+5,7 pontos percentuais); produtos alimentícios diversos (+4,1 pontos percentuais); e animais vivos (+3,6 pontos percentuais). Já as maiores quedas ocorre-
ram nas participações dos grupos: produtos hortícolas, leguminosas, raízes e tubérculos 
(-12,0 pontos percentuais); rações para animais (-10,2 pontos percentuais); bebidas (-7,8 pontos percentuais); e demais produtos de origem animal (-7,7 pontos percentuais) 
(Tabela 3).

 

 

 

 

 

 

 

 

1Estado produtor (Unidade da Federação exportadora), para efeito de divulgação estatística de exportação, é aquele onde foram cultivados os produtos agrícolas, extraídos os minerais ou fabricados os bens manufaturados, total ou parcialmente. Neste último caso, o estado produtor é aquele no qual foi completada a última fase do processo de fabricação para que o produto adote sua forma final.

 

2Estado importador (Unidade da Federação importadora) é definido como aquele do domicílio fiscal do importador.

 

3Os grupos de produtos do agronegócio podem ser vistos em: MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO - MAPA. Agrostat. Brasília: MAPA. Disponível em: <http://www.agricultura.gov.br/portal/page/
portal/Internet-MAPA/pagina-inicial/servicos-e-sistemas/sistemas/agrostat>.  Acesso em: abr. 2018.

 

Palavras-chave: agronegócio, balança comercial, exportações, importações, comércio exterior.

 

 

Data de Publicação: 24/04/2018

Autor(es): Marli Dias Mascarenhas Oliveira (marli@iea.sp.gov.brConsulte outros textos deste autor
José Alberto Angelo (alberto@iea.sp.gov.brConsulte outros textos deste autor

 



Publicidade