Tecnologia e Manejo

14/12

Balança Comercial dos Agronegócios Paulista e Brasileiro de Janeiro a Novembro de 2017

Balança Comercial dos Agronegócios Paulista e Brasileiro de Janeiro a Novembro de 2017

 

1 - BALANÇA COMERCIAL DO ESTADO DE SÃO PAULO

 

De janeiro a novembro de 2017, as exportações do Estado de São Paulo1 somaram US$46,34 bilhões (23,2% do total nacional) e as importações2, US$50,90 bilhões (36,8% do total nacional), registrando um deficit de US$4,56 bilhões. Em relação ao período de janeiro a novembro de 2016, o valor das exportações paulistas aumentou 10,8% e o das importações 7,2%, reduzindo o deficit comercial (queda de 19,4%) (Figura 1). Comparando-se janeiro a novembro de 2017 com o mesmo período de 2016, as exportações paulistas subiram (+10,8%) menos do que as exportações brasileiras (+18,2%); nas importações, o acréscimo em São Paulo (+7,2%) também foi menor do que no Brasil (+9,6%). Assim, na conjunção dos desempenhos das exportações e importações, o deficit da balança comercial paulista registrou queda de 19,4%, enquanto osuperavit da balança comercial brasileira cresceu 43,3%.

 
 
          O agronegócio3 paulista apresentou exportações crescentes (+6,7%), atingindo US$17,46 bilhões; as importações também subiram (+9,5%), somando US$4,50 bilhões, resultando em aumento de 5,7% no saldo comercial em relação aos 11 meses de 2016, atingindo US$12,96 bilhões (Figura 2).
 
 

Há que se destacar que as importações paulistas nos demais setores - exclusive o agronegócio - somaram US$46,40 bilhões, e as exportações US$28,88 bilhões, gerando um deficit externo desse agregado de US$17,52 bilhões. Assim, conclui-se que o deficit do comércio exterior paulista só não foi maior até novembro devido ao desempenho do agronegócio estadual, cujo saldo manteve-se positivo e crescente.

A participação das exportações do agronegócio paulista no total do Estado diminuiu 1,4 ponto percentual, enquanto a participação das importações subiu 0,1 ponto percentual, comparando-se janeiro a novembro de 2017 com 2016 (Figura 3).
 
 

2 - BALANÇA COMERCIAL DO BRASIL

A balança comercial brasileira registrou superavit de US$62,00 bilhões no período de janeiro a novembro de 2017, com exportações de US$200,15 bilhões e importações de US$138,15 bilhões. O superavit comercial resultou de aumento nas exportações (+18,2%) superior ao das importações (+9,6%) (Figura 4).

 

 

 De janeiro a novembro de 2017, as exportações do agronegócio brasileiro aumentaram 13,0% em relação ao mesmo período do ano anterior, atingindo US$89,08 bilhões (44,5% do total). Já as importações do setor cresceram 5,8%, também comparadas com janeiro a novembro de 2016, somando US$12,97 bilhões (9,4% do total). O superavit do agronegócio no período de janeiro a novembro de 2017 foi de US$76,11 bilhões, sendo 14,3% superior ao do mesmo período no ano anterior (Figura 5).

 

 

Portanto, o comércio exterior brasileiro só não foi deficitário devido ao desempenho do agronegócio, uma vez que os demais setores, com exportações de US$111,07 bilhões e importações de US$125,18 bilhões, produziram no período um deficit de US$14,11 bilhões.

 

A participação do agronegócio nos totais do país diminuiu em termos das exportações (-2,1 pontos percentuais) e também com relação às importações (-0,3 ponto percentual) (Figura 6).

 

 

3 - DESEMPENHO DO ESTADO DE SÃO PAULO NO BRASIL

A participação paulista no total da balança comercial brasileira diminuiu em termos das exportações (-1,5 ponto percentual) e também no tocante às importações (-0,9 ponto percentual (Figura 7).

 

 

 

Em relação ao agronegócio brasileiro, as exportações setoriais de São Paulo de janeiro a novembro de 2017 representaram 19,6%, pouco inferior ao percentual dos onze meses de 2016 (-1,2% ponto percentual), enquanto as importações representaram 34,7%, percentual superior ao verificado no ano passado (+1,2 ponto percentual) (Figura 8).

 

 

1Estado produtor (Unidade da Federação exportadora), para efeito de divulgação estatística de exportação, é aquele onde foram cultivados os produtos agrícolas, extraídos os minerais ou fabricados os bens manufaturados, total ou parcialmente. Neste último caso, o estado produtor é aquele no qual foi completada a última fase do processo de fabricação para que o produto adote sua forma final.

 

2Estado importador (Unidade da Federação importadora) é definido como aquele do domicílio fiscal do importador.

 

3Os grupos de produtos do agronegócio podem ser vistos em: MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO - MAPA. Agrostat. Brasília: MAPA. Disponível em: <http://www.agricultura.gov.br/portal/page/
portal/Internet-MAPA/pagina-inicial/servicos-e-sistemas/sistemas/agrostat>.  Acesso em: dez. 2017.

 

Data de Publicação: 12/12/2017

Autor(es): José Alberto Angelo (alberto@iea.sp.gov.brConsulte outros textos deste autor
Marli Dias Mascarenhas Oliveira (marli@iea.sp.gov.brConsulte outros textos deste autor
José Roberto Vicente (jrvicente@iea.sp.gov.brConsulte outros textos deste autor



Publicidade