Tecnologia e Manejo

27/08

Manejo apícola eleva em 70% a produção de mel

Manejo apícola eleva em 70% a produção de mel

 
A Associação Brasileira de Estudo das Abelhas (A.B.E.L.H.A.) está tornando públicos os resultados iniciais de seu Apiário Experimental, iniciativa que teve início em novembro de 2016.

O projeto está localizado no município de Itatinga (São Paulo), região de maior produção de eucalipto do Estado, e que concentra apicultores dedicados à produção de mel. Entre eles, José Maurício Ambrósio do Amaral, parceiro da A.B.E.L.H.A. na iniciativa. A vegetação, em um raio de 3 km do Apiário, é composta por plantações de eucalipto, mata nativa e pastagem.

Os dados preliminares apontam que a adoção de boas práticas no manejo das colmeias tem impacto direto na produtividade e, portanto, na lucratividade do produtor. Enquanto a média nacional de produção por colmeia é de 18 kg de mel (dados da Embrapa), as colmeias do Apiário Experimental que receberam ações de manejo produtivo apresentaram média de 62 kg/colmeia.

“A ideia do Apiário surgiu para que pudéssemos demonstrar aos apicultores, na prática, que não é necessária nenhuma ação mirabolante para alcançar níveis mais altos de produtividade”, comenta Ana Assad, diretora-executiva da A.B.E.L.H.A..

“Quando a atividade é desenvolvida com o objetivo de gerar renda, seu retorno financeiro depende diretamente da localização dos apiários, da gestão das atividades apícolas no campo e das práticas aplicadas no manejo das colmeias, ou seja, do conhecimento que o apicultor possui sobre as abelhas”.

Sob a supervisão da entomologista Kátia Aleixo, consultora da A.B.E.L.H.A., o Apiário deverá ser migratório, para acompanhar as grandes floradas da região.


COMO FUNCIONA O APIÁRIO EXPERIMENTAL
O Apiário Experimental da A.B.E.L.H.A. possui 20 colmeias, que foram divididas em dois grupos de 10 colmeias cada. Todas foram obtidas por meio de divisões de colmeias altamente populosas do plantel do apicultor.

No grupo A foram estabelecidas ações de manejo produtivo atreladas a um calendário de atividades apícolas em campo. Já o grupo B não recebe as ações de manejo produtivo, sendo mantido sem intervenções.

O modelo de planilha, com um calendário de atividades de campo para o manejo produtivo adequado e para a coleta de mel, pode ser visto abaixo:

 


Troca de Rainhas - Duas ações de manejo produtivo foram aplicadas para diferenciar os dois grupos. As rainhas das 20 colmeias foram trocadas após as divisões dos enxames, porém o grupo A recebeu rainhas selecionadas a partir das melhores colmeias.

Dentre as que mais produziram mel na safra passada, foram selecionadas as colmeias menos defensivas, as quais forneceram larvas para a produção de rainhas. Portanto, as rainhas introduzidas no grupo (A) detinham as características genéticas de alta produção da rainha e baixa agressividade das operárias. Já as rainhas do grupo (B) foram “puxadas” naturalmente, sem seleção.

Alimentação Suplementar - Outro aspecto que diferenciou os dois grupos foi a alimentação suplementar, para estimular o crescimento populacional anterior à florada de eucalipto. Assim, enquanto as colmeias do grupo B não receberam suplementação alimentar, as do grupo (A) foram tratadas com xarope de açúcar invertido e uma ração proteica comercializada para o mercado apícola.

PRINCIPAIS RESULTADOS
Foram efetuadas três coletas de mel da florada de eucalipto, uma no início de março e outras duas no início de abril e maio de 2017.
  • as ações de manejo produtivo geraram efeitos positivos na produção média de mel nas colmeias do grupo (A);
  • não foi verificada diferença no número de colmeias produtivas entre os dois grupos. Entendem-se como colmeias produtivas aquelas que contenham favos estocados com mel em células operculadas, chamado popularmente de mel maduro;
  • a diferença marcante entre os dois grupos foi na produção total, refletida na quantidade de melgueiras retiradas em cada grupo, e, consequentemente, na produção média das colmeias. Enquanto no grupo (A) foi coletado um total de 624 Kg de mel, no grupo (B) foram coletados 373 Kg;
  • As colmeias produziram, respectivamente, uma média de 62 Kg (grupo A) e 37 Kg (grupo B) de mel;
  • Levando em conta o preço de R$ 12,20 para o quilo do mel comercializado em Itatinga, o apicultor elevaria seu ganho financeiro em R$ 3.062,20 com três coletas de mel em um único apiário seguindo as boas práticas de manejo apícola.
  • A margem do produtor será proporcional ao número de apiários que disponha, e pode ser potencializado pelas floradas da região, quando pode atingir até seis coletas de mel no ano.


Sobre a A.B.E.L.H.A.
A Associação Brasileira de Estudos das Abelhas (A.B.E.L.H.A.) é uma organização sem fins lucrativos, cuja principal missão é reunir, produzir e divulgar informações – com base científica e a colaboração de uma rede de parceiros – que visem à conservação das abelhas e outros polinizadores no Brasil, promovendo seu papel na biodiversidade e a convivência harmônica e sustentável com as diferentes culturas agrícolas.
 
Acesse www.abelha.org.br para conhecer mais sobre polinização e boas práticas.
Siga-nos no Twitter 
@AbelhaOrg
Curta nossa página em Facebook.com/abelhaorg
Aprenda sobre as abelhas no Instagram
 
Atendimento à imprensa
Antonio Celso Villari

+ 55 11 97605-8574
antonioc.villari@abelha.org.br
 
Guilherme Castellar
+ 55 11 99618-3301
guilherme.castellar@abelha.org.br



Publicidade