Tecnologia e Manejo

07/04

Autorizado o teste em humanos do Soro Antiveneno de abelhas

Autorizado o teste em humanos do Soro Antiveneno de abelhas

 

Agora é oficial. A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), a Comissão Nacional de Ética em Pesquisa (CONEP), com apoio do Departamento de Ciência e Tecnologia (DECIT) do Ministério da Saúde, autorizou o teste em humanos de um soro antiveneno, conhecido como soro antiapílico, que pode aumentar as chances de uma pessoa sobreviver a um ataque de abelhas. O produto foi desenvolvido por pesquisadores do Centro de Estudos de Venenos e Animais Peçonhentos (Cevap) da Unesp de Botucatu em parceria com o Instituto Vital Brazil, de Niterói – RJ.

 

Com objetivo de esclarecer a população sobre os procedimentos que serão adotados para seleção de pacientes, os pesquisadores promoverão um encontro com autoridades e a imprensa no dia 8 de abril, a partir das 10 horas, em São Paulo, na sede da Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” (Unesp). O evento terá transmissão ao vivo. Faça seu cadastro:http://www.transmitirnaweb.com.br/ensaio_clinico

 

O medicamento é recebido por via intravenosa. Cerca de 20 mililitros (ml) trazem ao corpo uma quantidade de anticorpos capaz de neutralizar 90% dos problemas causados pelas picadas de abelhas africanizadas, as mais comuns no Brasil. Quando um adulto é picado por mais de 200 insetos, o corpo recebe uma quantidade de veneno suficiente para causar lesões nos rins, fígado e coração, debilitando esses órgãos. A maioria das mortes acontece pela falência dos rins.

 

Como será feito


Nesta primeira fase 20 pacientes passarão pelos testes.“Nós possuímos um protocolo de atendimento com rígidos critérios de inclusão e exclusão. Os médicos participantes do projeto serão responsáveis por definir qual paciente tem a indicação de soroterapia específica e dose necessária”, explica o pesquisador e coordenador do Cevap, Rui Seabra Ferreira Jr.

 

Após a escolha dos pacientes e aplicação do soro, os pesquisadores passarão para o “teste de fase III com mais de 300 pacientes”, complementa Rui. A previsão é que ainda no mês de abril o soro seja aplicado nos primeiros voluntários. “Trata-se de um produto estratégico, não apenas para o Brasil, mas para todo o continente americano, já que as abelhas africanizadas estão presentes hoje na maioria destes países. Assim, com o soro antiapílico registrado, além de salvar vidas, contribuiremos para diminuir o enorme déficit na balança comercial brasileira em medicamentos e insumos para a saúde, pois poderemos exportá-lo. Até o momento foram investidos, apenas nos últimos cinco anos, cerca de R$ 2 milhões de reais no projeto”.

 

“Entraremos no inverno e o número de acidentes por abelhas africanizadas tende a diminuir. Mas a partir de setembro e outubro eles voltarão com força total”, finaliza o pesquisador.

 

Serviço: Esclarecimentos sobre a aplicação do Soro Antiapílico em humanos
Data: 08/04/2016
Local: Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” (Unesp) – Rua Quirino de Andrade, 215 - República
Horário: 10 horas

 
Assessoria de Comunicação e Imprensa UNESP 



Publicidade