Notícia

05/09

Milho: leilões desta quarta-feira terão prêmios mais baixos

Milho: leilões desta quarta-feira terão prêmios mais baixos

 

A Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) reduziu novamente os valores da subvenção para milho que será negociado nos leilões de Prêmio Equalizador Pago ao Produtor (Pepro) e Prêmio de Escoamento de Produto (PEP) marcados para esta quarta-feira, 6. No pregão de 25 de agosto, a Conab já havia reduzido os subsídios para o cereal de Mato Grosso do Sul, Goiás e Distrito Federal, mas Mato Grosso não havia sido incluído. No leilão desta semana, o Estado volta a ser contemplado, mas com prêmios inferiores aos do último pregão do qual participou, do dia 17 de agosto.

 

O Pepro mais alto para o MT, de R$ 4,17/saca (para a região I, norte), é inferior aos R$ 5,65/saca oferecidos à mesma região em 17 de agosto. Para a região II (centro-norte), o prêmio será de R$ 3,84/saca; região III (centro-sul), de R$ 3,18/saca, mesmo valor para a região IV. Os mesmo valores de Pepro vão valer para o leilão de PEP. Todos os prêmios são inferiores aos subsídios disponibilizados no dia 17. Para o milho de Mato Grosso do Sul, o Pepro ofertado à região I (norte) será de R$ 2,17/saca, abaixo dos R$ 3,82/saca oferecidos no dia 25. O sul do Estado contará com subsídio de R$ 0,61/saca, também abaixo dos R$ 2,14/saca do pregão anterior. Os valores valem para PEP. Os prêmios ofertados para o milho de Goiás e Distrito Federal diminuíram, de forma semelhante. Tanto em Pepro como em PEP serão de R$ 1,39/saca, ante R$ 2,98 no dia 25.

 

A Conab ofertará na quarta-feira prêmios para 540 mil toneladas, sendo 177 mil toneladas em PEP e 363 mil toneladas em Pepro. Os subsídios vão contemplar a produção de Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Goiás e Distrito Federal. Das 363 mil toneladas em Pepro, 288 mil toneladas serão de Mato Grosso, 45 mil toneladas de Mato Grosso do Sul e 30 mil toneladas de Goiás (incluindo o Distrito Federal). Das 177 mil toneladas em Pepro, 72 mil toneladas serão de Mato Grosso, 60 mil toneladas de Mato Grosso do Sul e 45 mil toneladas de Goiás.

 

Estadão Conteúdo



Publicidade