Notícia

06/10

Exportações totais de carne bovina já superam as de 2016

Exportações totais de carne bovina já superam as de 2016

 

Com a movimentação de 135.602 toneladas em setembro (+ 17% em relação a setembro de 2016), as exportações totais de carne bovina pelo país (in natura e processada) voltaram a ficar 2% acima dos resultados obtidos em 2016 no mesmo período de tempo (janeiro a setembro), o que prognostica uma grande possibilidade de o setor alcançar um crescimento de 10% em relação ao ano passado, alcançando exportações de 1 milhão e 500 mil toneladas, já que as vendas do final de ano que se aproxima costumam ser mais elevadas.

 

Os preços também estão se comportando bem e, no total geral dos nove primeiros meses do ano, os resultados estão 7% acima de 2016. Em setembro, a receita obtida foi de US$ 555,2 milhões, contra US$ 471,7 obtidas no mesmo mês do ano passado, crescimento de 18%.

 

Até aqui, as exportações acumuladas no ano atingiram a 1 milhão e 65 mil toneladas contra 1 milhão e 42 mil toneladas em 2016 com receita de US$ 4,33 bilhões contra US$ 4,05 bilhões de janeiro a setembro de 2016. As informações são da Associação Brasileira de Frigoríficos (ABRAFRIGO) que compilou os dados fornecidos pelo Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), através da SECEX/DECEX.

 

Segundo a ABRAFRIGO o mercado internacional está amplamente favorável aos países exportadores de carne bovina como o Brasil e o apetite dos chineses parece inesgotável, aumentando suas importações mês a mês: em 2017 Hong Kong ampliou suas importações em relação a 2016 até agora em 11% (de 222.568 mil toneladas para 247.043 toneladas), enquanto que a China Continental ampliou suas aquisições em 31,8% no mesmo período (de 111.172 toneladas para 146.567 toneladas).

 

Outro grande e tradicional cliente, a Rússia, também aumentou suas aquisições em 12,5% passando de 103.892 toneladas para 116.831 toneladas. Entre outros clientes importantes, o Irã também elevou suas importações em 43,3%, os Estados Unidos em 27% e a Arábia Saudita em 57,3%. No total, 62 países ampliaram suas importações do Brasil e outros 86 reduziram.

 

Agrolink 



Publicidade