Notícia

30/01

Associação Brasileira dos Criadores de Girolando apoia a reivindicação para divulgação antecipada do preço do leite pela indústria

Associação Brasileira dos Criadores de Girolando apoia a reivindicação para divulgação antecipada do preço do leite pela indústria

 
Produtores rurais de Goiás estão reivindicando a divulgação antecipada do preço do leite pela indústria, que atualmente só informa o valor no 20° dia do mês seguinte à entrega do produto. A proposta integra o documento “Carta dos Produtores de Leite de Goiás”, elaborada na última sexta-feira (25/01) durante reunião da Comissão da Pecuária de Leite da Federação da Agricultura e Pecuária de Goiás (FAEG), na capital do estado, para debater os desafios do mercado do leite. O diretor Técnico da Associação Brasileira dos Criadores de Girolando, José Renato Chiari, que também preside a Comissão, destaca que o documento será entregue aos laticínios do estado. “Este é um problema crônico dentro da pecuária leiteira. O produtor entrega o leite no laticínio sem saber quanto vai receber pelo produto, se o valor que será pago dará para arcar com os custos, ficando sem condições de planejar ou investir mais na atividade”, alerta Chiari. 
 
Com a participação de mais de 300 produtores, a reunião ainda teve a apresentação de outros temas, dentre eles: as perdas causadas pela importação de leite em pó da Argentina e Uruguai, a necessidade de aumentar o consumo do leite no Brasil e a exportação, a regulamentação e normatização entre produtores de leite, laticínios e governo, além de outros. Como a pauta era extensa, o diretor da Girolando sugeriu que o documento contivesse as reivindicações mais urgentes relativas à relação entre o produtor e a indústria. Com isso, a Carta dos Produtores de Leite de Goiás contempla dois itens: 
 
• “Todos os produtores de leite do estado de Goiás negociem junto às empresas compradoras de leite para que elas estabeleçam e divulguem o preço do leite a ser pago no mês seguinte, até o 25° dia do mês anterior”;
 
• “Que as empresas compradoras promovam o pagamento do leite até o 5° dia útil do mês seguinte ao da entrega”
 
Além dos mais de 300 produtores presentes, assinaram a carta o presidente da FAEG, José Mário Schreiner, o diretor da Girolando e da Comissão José Renato Chiari, o presidente da Organização das Cooperativas Brasileiras em Goiás (OCB-GO), Joaquim Guilherme Barbosa, o presidente da CENTROLEITE, Pedro Barbosa de Oliveira, o deputado estadual eleito, Amauri Ribeiro, e o secretário de Agricultura, Pecuária e irrigação de Goiás, Antônio Carlos de Souza Lima Neto. “O produtor de leite goiano não está órfão! A responsabilidade, mútua, aumentou. Mas é assim, com confiança, honestidade e responsabilidade que se constrói um futuro virtuoso. No entanto, este é o primeiro passo de um difícil e desafiante caminho. Precisamos ficar unidos e arregimentados, mobilizados mesmo, para darmos os próximos passos. Parabéns à Diretoria da FAEG. Parabéns aos valorosos produtores de leite goianos!”, declarou o produtor Edilberto. 
 
Segundo Chiari, a expectativa é de que a mobilização ocorrida em Goiás também aconteça em outros estados brasileiros, pois os problemas apresentados no documento são verificados em todo o país.
 
Mais de 300 produtores compareceram na reunião da Comissão da Pecuária de Leite da Federação da Agricultura e pecuária de Goiás, onde foram debatidos os desafios do mercado do leite.  A mesa foi composta pelo presidente da FAEG José Mário Schreiner, o presidente da Organização das Cooperativas Brasileiras em Goiás (OCB-GO), Joaquim Guilherme Barbosa, o presidente da CENTROLEITE, Pedro Barbosa de Oliveira, o Deputado Estadual Eleito, Amauri Ribeiro e o Secretário de Agricultura, Pecuária e irrigação de Goiás, Antônio Carlos de Souza Lima Neto.



Publicidade