Agrovídeo

13/03

Plantar em Casa: Maracujá em Produção

 

Oitava parte da Visita ao produtor de Uvas finas deliciosas e agora irão conhecer a produção de maracujá do sítio de Sérgio Arakawa agende sua visita ou pedido pelo tel 01194771458 , com toda certeza uma das melhores uvas de São Paulo Uvas Finas e outras Fruticulturas em Mogi das Cruzes SP Produtor Sérgio Arakawa Nome científico: Passiflora edulis Sims Família: Passifloraceae Nomes populares: Maracujá, maracujá-mirim, maracujá-suspiro, maracujá-peroba, maracujá-pequeno, flor-da-paixão Nome em inglês: Passion fruit Origem: Provavelmente Brasil O maracujá é uma planta de clima tropical com ampla distribuição geográfica. A cultura do maracujá está em franca expansão tanto para a produção de frutas para consumo "in natura" como para a produção de suco. O Brasil é o primeiro produtor mundial de maracujá. O maracujazeiro pode ser cultivado na maioria das regiões tropicais e subtropicais. Os solos mais indicados são os arenosos ou levemente argilosos, profundos e bem drenados. Solo, calagem e adubação O solo deve ser profundo, arenoso ou levemente arenoso e bem drenado, pois, o encharcamento favorece a ocorrência de doenças do sistema radicular. Após a escolha da área, devem ser feitas amostragens do solo para análise química. A adubação orgânica é uma prática importante para manter o solo produtivo. Vale lembrar que o sucesso da adubação depende tanto da quantidade adequada aplicada, quanto da época e localização do corretivo e dos fertilizantes. O período de colheita, varia de 6 a 9 meses. Plantios efetuados nos meses mais próximos do verão, permitem início de colheita mais precoce (6 meses). O maracujazeiro tem longo período de safra. Os frutos de maracujá amarelo quando maduros caem ao chão, deste modo o ponto de colheita é determinado pela coleta dos frutos. O rendimento da cultura depende de fatores como clima, solo, espaçamento, tratos culturais, adubação e controle fitossanitário. O maracujazeiro pode ser atacado por fungos, virus e bactérias. Doenças: Tombamento, mela ou "damping off", Antracnose, Verrugose ou Cladesporiose, Bacteriose, Definhamento precoce, Podridão do colo e Murcha ou Fusariose. Tombamento, mela ou "damping off" - caracteriza-se por uma lesão no colo da plantinha, provocando seu tombamento e morte. Controle - manejo adequado da sementeira ou usando pentacloro nitrobenzeno para Rhizoctonia, benomil para Fusarium e fosetyl-Al para Phytophthora. Antracnose - ataca as folhas causando manchas pequenas, a princípio claras, circulares, rodeadas por bordos verde-escuros que mais tarde podem coalescer tornando-se pardo-avermelhadas. Os ramos apresentam manchas alongadas que se transformam em cancros. Controle - pode ser feito pela aplicação de produtos à base de oxicloreto de cobre + mancozeb, chlorotalonil ou benomil. Verrugose ou cladesporiose - Caracteriza-se por manchas circulares, inicialmente de aspecto translúcido, cobrindo-se posteriormente por um tecido corticoso, áspero, saliente, de cor parda. Dão ao fruto um aspecto deformado e nas folhas o limbo foliar torna-se completamente enrugado. Os sintomas aparecem também em ramos, gavinhas e pecíolos. Controle - cobertura com caldas fungicidas destacando-se os produtos à base de cobre, com periodicidade semanal sob chuvas e quinzenalmente em períodos de umidade e chuvas esparsas. Não se recomenda o controle dos frutos quando o destino dos mesmos é para a industrialização do suco pois a doença não atinge a polpa. Bacteriose - doença de estação chuvosa e quente, às vezes semelhante à antracnose, diferenciando-se por apresentar inicialmente pequenas manchas aquosas nas superfícies dos tecidos das folhas e frutos em qualquer fase do seu desenvolvimento. Controle - o mesmo esquema de controle recomendado para a verrugose. Definhamento precoce - caracteriza-se pela desfolha da parte



Publicidade